Thábata não é mais vocalista da X-Calypso

Ximbinha anuncia Leya e Gêh Rodriguez como vocalistas, mas haverá terceira voz


Por: Redação ORM News Em 30 de janeiro, 2016 - 16h00 - Música

A partir deste sábado (30) a cantora Thábata não é mais a vocalista da banda X -Calypso. A decisão foi anunciada em nota oficial conjunta e com exclusividade para 'O Liberal'  ontem . O motivo alegado na nota é "divergências conceituais" em relação o Projeto X-Calypso, que foi lançado em outubro de 2015 e que teve em seu primeiro show na cidade de Ananindeua nada menos que um público - estimado pela Polícia Militar -  de 140 mil pessoas.

Na nota, Ximbinha anuncia uma nova formação da X-Calypso, que agora contará com três vocalistas, sendo que dois já estão escolhidos: uma é a cantora pernambucana Leya, nascida na cidade Serra Talhada, e o outro é o cantor paraense Gêh Rodriguez. A segunda vocalista ainda será definida por Ximbinha e sua equipe de produção nos próximos dias. Na noite deste domingo, 31, esta nova composição já se apresenta na cidade de Senador José Porfírio (Souzel), na região da Transamazônica, no sudoeste do Pará. A nota oficial informa que todos os compromissos assumidos com contratantes serão integralmente cumpridos já com a nova formação.

Foto: Tarso Sarraf/O Liberal

O último show em que Ximbinha e Thábata subiram ao palco juntos foi na madrugada da última quinta-feira, 28, no município de Castanhal, quando se apresentaram para mais de 50 mil pessoas no aniversário de 84 anos da cidade. No show, com direito a telões laterais ao palco, Ximbinha e Thábata interpretaram composições da X-Calypso e alguns sucessos dos 16 anos de carreira do compositor e guitarrista paraense. O sucesso “Saudade”, uma das músicas mais executadas no País, fez o público vibrar com a voz de Thábata e arranjo de Ximbinha. 

Apresentação

Ximbinha apresentou oficialmente Thábata como sua parceira musical no dia 31 de outubro do ano passado em entrevista coletiva nacional, mas a agenda de shows só começou a ser realizada a partir de janeiro deste ano, uma vez que o guitarrista estava respeitando os contratos de sua antiga banda, a  Calypso.

O convite para potiguar Thábata integrar a X-Calypso foi feito por Ximbinha por meio do compositor Beto Caju, que travou o contato inicial com a cantora por ser amigo em comum dos dois. 

No dia 22 de outubro de 2015, Ximbinha modificou seu nome e deixou de ser Chimbinha e passou assinar artisticamente seu nome com "X". No mesmo dia ele e Thábata apresentaram também o projeto da nova X-Calypso.

LEIA A NOTA NA ÍNTEGRA

"A cantora Thábata deixa de ser a vocalista da X-Calypso a partir deste domingo, 31. A decisão foi tomada em comum acordo com o guitarrista Ximbinha, criador da banda. O motivo foi divergências conceituais em torno do projeto. Ximbinha ressalta sua admiração pelo talento e poder vocal de Thábata e lamenta sua saída. Thábata, por sua vez, afirma que os últimos três meses foram de muito aprendizado e de formação profissional. Ambos acreditam que esta foi a melhor decisão, que não prejudicará contratantes e revela o respeito aos novos fãs que a X-Calypso vem conquistando desde sua primeira apresentação no dia 3 janeiro, quando reuniu um público de mais de 100 mil pessoas no aniversário da cidade de Ananindeua, no Pará.

Ximbinha assegura também que o Projeto X-Calypso continua firme e todos os contratos assumidos serão cumpridos. A partir de hoje a X-Calypso ganha uma nova roupagem: a cantora pernambucana Leya e o paraense Gêh Rodriguez assumem os vocais e uma terceira vocalista, que ainda será escolhida, vão compor o projeto X-Calypso ao lado da guitarra de Ximbinha". 

Pernambucana e paraense vão dividir vocais

A cantora Leya nasceu em Serra Talhada, Pernambuco. Para quem não sabe, é o berço de Lampião, rei do Cangaço. Mas ao contrário do sanguinário anti-heroi nordestino, Leya é de uma docilidade ímpar, voz mansa e sorriso tímido.

Com 23 anos, a cantora já tem dez anos de estrada. Começou aos 13 anos numa banda chamada Vizzu, onde por seis meses cantou três músicas sem nenhuma remuneração. Valia a experiência. De banda em banda foi construindo seu caráter musical, aportou no projeto Radiola Sertaneja, coincidentemente produzido por Ximbinha. Mas seus caminhos ainda não se cruzariam definitivamente aí.

Há seis meses foi convidada por João Florentino, da Somax, de Recife, para embarcar num projeto de EP, com seis músicas. Entretanto, a saúde debilitada do avô, Nelito, fez com que Leya voltasse para Serra Talhada. Com o falecimento de seu Nelito e enfrentando um momento profissional difícil, recorreu ao compositor Marquinho Maraial, coincidentemente amigo de Ximbinha de longa data. Era o reencontro.

Com a saída de Thábata, Ximbinha resolveu convidar Leya para frente do palco da X-Calypso. "Os fãs podem esperar de mim toda dedicação, esforço e alegria no palco. É uma oportunidade única, vou dar meu sangue para ser digna dela".

Foto: Tarso Sarraf/O Liberal

Masculina

Dentro do conceito de show-baile que Ximbinha está implantado na X-Calypso, a voz afinada e marcante do paraense Gêh Rodriguez cai como uma luva. Aos 33 anos, o que não falta é estrada para o cantor, que como Leya também começou aos 13 anos, tentando imitar um primo que herdou o violão do avô, seu Ubirajara. Autodidata, foi aprendendo um a um os instrumentos musicais, até que virou vocalista. Com amigos criou um grupo de pagode chamado "Moleques do Samba".

Anos mais tarde criaria com amigos um outro grupo: Make Off, que conquistou espaço nas noites de Belém. Daí foi um passo para chegar aos vocais do Frutra Quente, uma das bandas mais conhecidas no Pará.

Há uma semana foi surpreendido com o convite para uma reunião com Ximbinha, que o convidaria para dividir o palco com ele, Leya e um outra vocalista que será escolhida em breve. Era véspera de seu aniversário. "Considerei um presente antecipado. Aceitei na hora e podem acreditar: vou me jogar de cabeça neste projeto. Vida longa à X-Calypso". 

Cledivan de Almeida Farias, nasceu em 12 de fevereiro de 1974, é mais conhecido como Ximbinha e, anteriormente, como Chimbinha, é um dos guitarristas mais respeitados do Brasil. É também compositor e produtor musical. Traz na mochila nada menos do que 400 CDs, LPs e DVDs com sua assinatura. 

Começou a tocar guitarra ainda aos 12 anos no subúrbios de Belém influenciado por artistas de sua terra, como Roberto Vilar. Junto com eles, reinventou o ritmo "calipso", lhe acrescentando suingues novos. Aos 18 anos já era o produtor musical mais conhecido de Belém.

Ximbinha e Joelma fundaram a banda Calypso, que conquistou notoriedade nacional e depois de 16 anos de carreira comercializaram mais de 15 milhões de CDs e DVDs em todo o Brasil.

A partir de 2015, com o final da Banda Calypso e a separação de Joelma, o músico passou a assinar seu nome artístico com a letra X, além de criar uma nova banda: X-Calypso. Convidou no final de outubro do ano passado para empreitada a cantora Thábata, da cidade de Mossoró no Rio Grande do Norte. Depois de apenas apenas cinco apresentações em janeiro deste ano, incompatibilidades conceituais em torno do projeto X-Calypso acabaram levando Thábata a sair da banda e agora ela deve seguir carreira solo.