Mais Acessadas

Seleção brasileira vence a oitava seguida nas eliminatórias

Coutinho, Neymar e Marcelo fazem os gols da vitória sobre o Paraguai


Por: O Globo Em 28 de março, 2017 - 23h11 - Futebol

Nesta terça-feira, a seleção brasileira chegou à oitava vitória consecutiva sob comando de Tite. Diante de um Paraguai muito bem postado na defesa no início do jogo, o time soube usar sua qualidade para buscar espaços e vencer por 3 a 0, com gols de Neymar, Coutinho e Marcelo, na Arena Corinthians, chegando aos 33 pontos nas eliminatórias sul-americanas.

A seleção anda funcionando melhor dentro de campo do que fora dele. Enquanto o time vai encontrando boas soluções, a arquibancada insistiu ontem no grito de "bicha" a cada tiro de meta do goleiro rival, o que já rendeu punições ao Brasil nessas eliminatórias. Teme-se que as multas possam virar sanções mais graves. Já a politica de preços da CBF produziu a chamativa renda de R$ 12 milhões. Pode ser bom para as estatísticas e cofres da entidade, difícil é crer que o ingresso médio de R$ 277 seja adequado a cultura do futebol no país. Havia poucos lugares vazios.

Para um time que atinge um notável estado de forma a 15 meses da Copa da Rússia, que é o objetivo principal, são as vigências, os enfrentamentos contra times que imponham obstáculos diferentes que vão proporcionar o crescimento. Hoje, o Paraguai foi quem até agora melhor se defendeu contra esse Brasil de Tite, que talvez tenha sido o nome mais gritado antes e durante o jogo.

Coutinho comemora o primeiro gol da vitória do Brasil (Foto: Marcos Alves)

No primeiro tempo, os paraguaios cortaram quase todas as opções de passe na saída de bola do Brasil e não se limitaram a aglomerar jogadores defendendo perto do próprio gol. Marcaram agressivamente, diminuindo ao máximo o espaço entre seu zagueiro mais recuado e seu atacante mais avançado. Um retrato da dificuldade foi o erro de Miranda que terminou em chance desperdiçada de Derlis González, aos 25 minutos.

Mas aos poucos o Brasil foi tomando o controle com o seu já habitual apreço à posse de bola. Uma das soluções foi fazer Renato Augusto recuar até a linha de zaga para ser mais uma opção para iniciar as jogadas e, ao mesmo tempo, permitir a subida de Marcelo pela esquerda.

Mas foi pelo outro lado do jogo que a história começou a mudar. Tite prega a aliança entre individual e coletivo. E foi numa solução absolutamente individual de Coutinho que, aos 33 do primeiro tempo, em um drible abriu a defesa paraguaia pelo lado direito. Depois, as armas coletivas do Brasil se encarregaram do resto. Paulinho entrou na área, puxou a marcação e permitiu a tabela e a bela finalização do meia brasileiro.

Neymar: Pênalti perdido e golaço

O Brasil, que terminara sem tanto controle da bola o primeiro tempo, voltou a dominar no início do segundo. Tentava chegar com menos toques, mas com um pouco mais de verticalidade diante de um Paraguai que, mais adiantado, oferecia espaços às costas dos marcadores. Logo, o jogo se tornaria um duelo pessoal entre Neymar e a estatística. O Paraguai, ao lado da Venezuela, era um dos únicos rivais sul-americanos jamais vazados pelo atacante. Era.

Coutinho deu bola preciosa para Neymar perder, se chocar com a trave e dar susto na torcida. Em seguida, de um lance pessoal, todo dele, surgiu o pênalti. Mas Anthony Silva defendeu a cobrança ruim. Ocorre que é tal a plenitude física e técnica do astro que o gol era questão de tempo. Há momentos em que Neymar não parece correr. A descrição mais fiel à imagem é dizer que desliza em campo, como quando recebeu a bola no campo de defesa e passou de passagem por dois paraguaios. Foi parar na outra área, driblando, encantando e finalizando. A sorte se viu obrigada a ajudar. Com desvio do zagueiro e tudo, um golaço, aos 18.

Logo em seguida, ele marcou de novo, mas o juiz anulou assinalando corretamente o impedimento. Neymar também iniciou a jogada do último gol, que ainda teve tabelinha com Coutinho e Paulinho para deixar Marcelo na cara do gol e fechar o placar aos 40.