Mais Acessadas

Restos mortais de jovem que estava desaparecido são achados

Ele havia saido para comprar uma moto em setembro de 2016 e nunca mais retornou


Por: Redação ORM News Em 24 de março, 2017 - 11h11 - Polícia

William Carlos de Almeida saiu para comprar uma moto em Marituba, Região Metropolitana de Belém (RMB), no dia 13 de setembro de 2016, e nunca mais retornou para casa. Após seis meses do desaparecimento, o caso finalmente foi esclarecido na tarde da última quarta-feira (23). Morador da ilha de Mosqueiro, os restos mortais da vítima foram encontrados em um matagal em Santa Bárbara, na comunidade Livramento. 

Foto: Via WhatsApp / ORM News

A investigação só foi possível após a apreensão de Isaac Gonçalves, por tráfico de drogas. Ao ser detido, policiais repararam em manchas de sangue na bermuda de Isaac e o questionaram. O acusado afirmou que ele teria se machucado e por isso os resquícios do sangue na roupa. Sem acreditar na versão do suspeito e ainda intrigados com o desaparecimento de William seis meses antes, já que uma das últimas pessoas tiveram contato com a vítima foi Isaac, foi solicitado uma tipagem sanguínea para ser comparado o material encontrado na bermuda de Isaac com o da mãe de William. 

Com o resultado positivo do exame de DNA feito pelo Instituto Médico Legal (IML), o acusado foi pressionado e confessou participação no crime. De acordo com Isaac, ele ajudou na ocultação do cadáver, mas não foi o responsável por matar a vítima, acusando o amigo Denis Beckman, morto recentemente dentro do Centro de Recuperação de Mosqueiro, de ter assassinado William. 

Em seguida, Isaac revelou para a polícia o local em que o corpo do jovem foi enterrado e, na tarde de ontem (23), por volta das 17h, foi realizada uma operação entre a Polícia Militar (PM), Corpo de Bombeiros, Susipe e Poder judiciário, comandada pelo delegado Magno Costa, da Seccional de Mosqueiro, para varredura no local. Durante o procedimento, os restos morais de Isaac foram encontrados e encaminhados para o Centro de Perícias Científicas Renato Chaves para exames de identificação, que confirmaram a identidade da vítima. 

O acusado foi levado para o presídio em que já estava preso por tráfico de drogas e agora responderá por mais esse crime.