Mais Acessadas

Pastor acusado de estuprar adolescente de 13 anos é preso

Vítima frequentava a igreja onde o acusado pregava, em Barcarena


Por: Redação ORM News com informações da Polícia Civil Em 07 de abril, 2017 - 18h06 - Polícia

A Polícia Civil prendeu hoje (07), em Barcarena, nordeste paraense, o pastor Nylton Emerson Costa Almeida, acusado de estuprar uma adolescente de 13 anos que frequentava a igreja evangélica onde o acusado pregava, na sede do município.

A prisão foi realizada por policiais civis da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Barcarena, onde o acusado está preso. Os policiais também cumpriram mandado de busca e apreensão na casa do acusado para verificar a existência de material pornográfico e de conversas que teriam sido trocadas entre ele e a vítima por meio de um aplicativo de mensagens.

A operação foi resultado de inquérito policial presidido pela delegada Priscilla Naiatte, titular da DEAM de Barcarena, visando apurar denúncia de estupro contra uma fiel que frequentava a igreja presidida por Nylton. A violência sexual teria ocorrido dentro da casa da vítima. No relato, a adolescente contou que vinha se comunicando havia algum tempo com o acusado pelo aplicativo Whatsapp. Segundo a menor, o acusado sempre lhe pedia para apagar as mensagens. Foi por meio das conversas que o pastor teria ido à sua casa, aproveitando que a mãe da adolescente havia saído para comprar remédios para a filha mais nova. 

Segundo a policial civil, em decorrência das provas obtidas nos autos do inquérito policial, a Justiça concedeu as ordens judiciais. Ele foi preso em sua casa, pela manhã, em Barcarena e conduzido para a Delegacia. Ainda, durante a ação policial, foram apreendidos dois computadores portáteis (notebooks); um telefone celular; um dispositivo portátil, tipo pendrive; duas CPUs (Unidades de Processamento de Dados) de computador, e dez mídias de DVDs. Todo o material apreendido foi encaminhado para a perícia. O acusado vai permanecer preso à disposição da Justiça. As investigações do crime continuam.