Mais Acessadas

Pokémon Go ajuda na captura de bons negócios no Pará

Estação das Docas vira ponto de encontro de jogadores de qualquer idade


Por: O Globo Em 14 de agosto, 2016 - 09h09 - Negócios

Foto: Divulgação

O jogo Pokémon Go é um fenômeno que chama cada vez mais a atenção de empresários e comerciantes, em razão do grande fluxo de pessoas que mobiliza. Lançado há pouco mais de uma semana no Brasil, a capital paraense não ficou de fora da febre que já ultrapassou a marca de 100 milhões de downloads no mundo todo. A Estação das Docas, um dos principais pontos da cidade para usar o aplicativo, chega a ficar repleta de jogadores e registrou a circulação de quase 14 mil pessoas somente entre sexta e domingo da semana passada, praticamente o dobro dos demais finais de semana. As estratégias criadas por lojistas incluem oferta de internet gratuita, instalação de tomadas e descontos especiais.

“Não esperávamos essa procura tão grande e estamos nos adaptando, providenciando a instalação de mais tomadas. O jogo atrai um público bem variado, das crianças aos adultos, e é natural que o volume de vendas também cresça. Afinal, o nosso clima é quente e os clientes que podem passar horas jogando entram para comprar água, sorvete. Alguns pais aproveitam para lanchar enquanto os filhos brincam e os jovens marcam encontros, happy hour, com o objetivo de jogar”, conta a gerente de marketing da Estação, Pétala Paiva. O local tem 17 pokéstops (paradas para coleta de itens) e três ginásios (onde são realizadas batalhas entre os treinadores).

Não há uma estimativa do impacto causado pelo jogo nas vendas do espaço turístico, uma vez que se trata de algo recente, mas ela observa que empresários e usuários estão adaptando o comportamento. “Procuramos sempre orientar o público a não se agrupar obstruindo a passagem e a ter cuidado ao manusear as tomadas. Queremos todos se divertindo, mas com responsabilidade”, exemplifica. 

Nas tomadas de uso público, foram vistos jogadores usando mais de uma extensão para carregar celulares e alguns chegaram a usar tomadas impróprias, de alta voltagem, correndo risco de choque elétrico. Por causa dessas ocorrências, a Estação divulgou uma campanha de conscientização em parceria com a Celpa.

Rute Helena Laiun dos Santos, proprietária da sorveteria Cairu, confirma que as vendas no quiosque da Estação melhoraram, mas não chegaram a dobrar. “Sobre pensar em estratégias voltadas para esse público específico, acho que ainda precisamos esperar um pouco mais para ver onde isso vai dar, como vai se desenvolver esse jogo”, completa. 

Pela grande capacidade de mobilização da brincadeira, que tem estimulado a criação de encontros, caçadas Pokémon e torneios pela cidade, o coordenador de marketing da empresa de cursos profissionalizantes Microlins, Luís Maia, viu uma oportunidade. Eles apoiaram um evento independente realizado ontem na Estação das Docas, que ofereceu sorteios e prêmios aos jogadores com melhor desempenho. 

“Os usuários se inscreveram no nosso site para concorrer a planos de descontos, minicursos e até um carregador portátil. Decidimos investir porque o público do game nos interessa muito. São adolescentes e jovens ligados em tecnologia e como o jogo ainda está em inglês, podem querer aprender o idioma, ou então saber mais sobre desenvolvimento de aplicativos”, explica. Os ganhadores de ontem deverão comparecer até uma sede da Microlins para resgatar o prêmio.  “Há alguns anos, videogames eram coisa de criança e hoje são um negócio que movimenta milhões de dólares. Não podemos ignorar esse segmento”, completa Luís Maia.