Mais Acessadas

Parkinson pode melhorar até 90% com nova técnica

Procedimento inovador instala marca-passo no cérebro que ajuda a controlar os movimentos


Por: Notícias ao minuto Em 10 de abril, 2017 - 07h07 - Saúde

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Mal de Parkinson atinge cerca de 1% da população mundial, acima dos 65 anos. Por isso, já é a segunda doença neurodegenerativa mais frequente em todo o globo. “Só no Brasil, cerca de 400 mil pessoas são portadoras de Parkinson. Porém, embora tais números sejam preocupantes, informações sobre o problema em si e os métodos de tratamento disponíveis ainda são pouco conhecidos no país”, afirma o neurocirurgião coordenador do HCor Neurociência do Hospital do Coração, Dr. Antônio De Salles.

Em prol do Dia Mundial de Combate ao Mal de Parkinson, nesta terça-feira, dia 11 de abril, o médico explica que, apesar de ser degenerativo e de não ter cura, o Mal Parkinson possui alternativas de tratamento capazes de auxiliar os portadores da doença a retomar o controle de seus movimentos. Entre elas está o implante do chamado marca-passo cerebral. “Esta técnica é inovadora e tem obtido sucesso em conter o avanço dos sintomas da doença e proporcionar melhor qualidade de vida aos pacientes que chegam a obter uma melhora de até 90% após a cirurgia, dependendo de seu estado de saúde”, revela o Dr. De Salles, responsável pela aplicação da técnica dentro do HCor.

De acordo com o neurocirurgião, o equipamento utilizado neste tipo de procedimento é muito semelhante ao marca-passo cardíaco. Trata-se de um aparelho pequeno que funciona com impulsos elétricos localizados. “Ele age sob as áreas do cérebro afetadas pela doença de Parkinson com o objetivo de regredir de cinco a dez anos o avanço dos sintomas”, explica. “Novos estudos mostram que, se o paciente começa a ser debilitado pela doença, apresentando dificuldade no trabalho ou no convívio familiar, o marca-passo deve ser aplicado o mais rapidamente possível. Ou seja, no máximo, de cinco a dez anos após o diagnóstico”, alerta o médico.

Funcionamento da Cirurgia

Para implantar o marca-passo, o paciente é submetido a uma cirurgia. Eletrodos são colocados no cérebro e ligados ao marca-passo, que fica sob a pele na altura da clavícula. Eles são ligados por um fio, chamado de extensão, também sob a pele. Esse conjunto irá realizar a chamada estimulação elétrica profunda cerebral, que irá interferir nos sinais que causam os sintomas motores do Mal de Parkinson. “Com a melhora dos sintomas, o paciente pode diminuir e às vezes voltar a não usar medicações e, assim, ficar livre dos efeitos colaterais das drogas, que chegam a incluir delírio e alucinações”, revela a Dra. Alessandra Gorgulho, coordenadora clínico científico do HCor Neurociência.