Mais Acessadas

Número de registro de casos de dengue diminui, diz Sespa

Até o momento, há quatro casos de óbito-registro por febre amarela e nenhum de dengue ou zika no Pará.


Por: Redação ORM News com informações da Agência Pará Em 29 de março, 2017 - 15h03 - Pará

De acordo com o quarto Informe Epidemiológico de 2017 emitido pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), por meio da Coordenação Estadual de Vigilância em Saúde, os casos de dengue no Pará tiveram uma queda de 66% em relação ao mesmo período do ano passado. O levantamento aponta o registro de 1.067 casos de dengue, 83 de zika e 1.073 de febre chikungunya no Estado até o dia 22 de março. O Pará não registrou mortes por dengue e zika este ano e nem em 2016, mas a Sespa orienta que as Secretarias Municipais de Saúde informem no período de 24 horas a ocorrência de casos graves e mortes suspeitas.

Ainda de acorco com o informe, dez municípios tiveram casos confirmados de dengue: Parauapebas (173), Marabá (127), Anapu (106), Tucumã (88), Ourilândia do Norte (57), Novo Repartimento (54), Tucuruí (51), Redenção (41), Novo Progresso (40) e Xinguara (35). Os dez municípios com mais registros confirmados de febre chikungunya foram Xinguara (306), Parauapebas (139), Jacundá (122), Canaã dos Carajás (81), Belém (72), Novo Repartimento (72), Rio Maria (57), Marituba (51), Tucumã (37), Marabá (28) e Redenção (05). Casos confirmados de zika foram registrados em Ourilândia do Norte (27), Canaã dos Carajás (19), Rio Maria (09), Eldorado dos Carajás (06), Curionópolis (03), Jacundá (03), Ananindeua (02), Belém (02), Marituba (02), São Domingos do Araguaia (02). 

A secretaria informou ainda que não existe tratamento específico para dengue, chikungunya e zika vírus. O tratamento é sintomático e baseia-se em hidratação adequada, levando em consideração o estadiamento da doença, segundo os sinais e sintomas apresentados pelo paciente, para decidir condutas, bem como o reconhecimento precoce dos sinais de alarme. É importante que os profissionais de saúde, sobretudo, os médicos, reconheçam precocemente os sinais de hemorragia para a correção rápida com infusão de fluídos, bem como a lista de medicamentos contraindicada em casos de suspeitos de dengue.

Até o momento, há quatro casos de óbito-registro por febre amarela no Pará. No oeste do estado, os municípios de Rurópolis, Óbidos, Oriximiná, Curuá, Alenquer e Monte Alegre, que estão localizados em uma área considerada endêmica, recebem um plano emergencial contra a febre amarela. Faz parte desse plano a cessão de um helicóptero do Estado e de um avião do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) para atender eventuais chamadas e urgências. O objetivo é garantir a vacina para as comunidades da zona rural. A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) informa que já recebeu do Ministério da Saúde cerca de quatro mil doses de vacina contra a febre amarela.