Justus sobre comparações com Trump: 'Me diverti muito'

Paulista diz que admira americano e não descarta um dia entrar na vida política do Brasil


Por: EGO Em 09 de novembro, 2016 - 18h06 - Celebridades

Após o empresário americano Donald Trump ser eleito o novo presidente dos Estados Unidos, memes e piadas surgiram na internet. Claro, não faltaram comparações do republicano com o empresário e apresentador paulista Roberto Justus. Além de ambos serem vaidosos, ostentarem penteados impecáveis, mulheres perfeitas ao seu lado, os dois são empresários de sucesso e comandaram o reality show de negócios chamado “O Aprendiz”.

Foto: Reprodução

Ao EGO, Roberto Justus diz que não ficou chateado com as piadas na web. “Me diverti muito e ri bastante. Claro que temos pontos em comum, admiro ele como empreendedor e torço para que essa nova etapa na vida dele dê certo. Mas somos muitos diferentes, e as comparações param quando o assunto é ideologia. Não apoio as ideias radicais dele e acredito que ele vai ter mais responsabilidade no que fala daqui para a frente. No primeiro discurso dele como eleito, o discurso já mudou e já ficou mais sóbrio”, acredita o brasileiro.

'O cenário político mudou no Brasil e em todo o mundo', diz Justus

Se morasse nos Estados Unidos, Justus confessa que não teria votado nele. “Sou contra qualquer tipo de preconceito. O futuro presidente da maior nação do planeta não pode perder a compostura em um debate, por exemplo. Defender as ideias é uma coisa, humilhar as pessoas é outra. Acredito que ele perdeu votos por seu radicalismo e discurso agressivo. Trump sempre teve mais carisma que Hillary Clinton e poderia ter ganhado com mais folga... As pessoas estão cansadas de discursos tradicionalistas ou políticos envolvidos em corrupção. O cenário político mudou no Brasil e em todo o mundo”, afirma ele, que não descarta um dia entrar na vida política no Brasil.

“Já recebi alguns convites de partidos para me candidatar a cargos públicos e descartei a ideia naquela época. Hoje, com 35 anos de carreira empresarial penso, sim, em devolver alguma coisa para o meu país, que me deu muito. Não descarto nada e digo que nunca desta água beberei. Mas não penso no assunto agora. Se um dia surgir uma oportunidade, vou pensar. Já aceitei e faço parte do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) do governo federal. O trabalho consiste em ajudar o presidente Michel Temer em questões empresarias. São cerca de quatro reuniões ao ano para trocar experiências”, ressalta ele, que torce para as relações Brasil e Estados Unidos continuarem bem. “É uma grande potência para o crescimento do Brasil e importante aliado dos negócios”.