Mais Acessadas

Homens se identificam como policiais e matam 3

Eles desceram de um carro prata usando uniforme da instituição


Por: Redação ORM News Em 17 de março, 2017 - 12h12 - Polícia

Um crime deixou em choque toda a vizinhança da rua Manoel Monteiro, próximo à alameda Beira Rio, em Murinim, na madrugada desta sexta-feira (17). Quatro homens encapuzados usando uniformes da Polícia Civil desceram de um carro prata e entraram em uma residência, por volta das 3h30 da manhã, afirmando que iriam fazer uma vistoria na casa. 

Eles acordaram todas as pessoas que estavam no local procurando por três homens que supostamente teriam praticado um roubo recentemente. Ao os encontrarem dormindo com suas respectivas esposas, os arrancaram de forma violenta da cama e os levaram para o quintal. Logo em seguida, assassinaram com três tiros cada um dos jovens que foram identificados como Afonso de Jesus Barreiro (20), João Henrique Santos Silva (20) e um adolescente de 16 anos. 

Foto: Marcelo Seabra

De acordo com testemunhas oculares, os assassinos são milicianos que estavam atrás dos rapazes. As testemunhas também afirmam que, do mesmo jeito que os homens chegaram, eles saíram do local, com tranquilidade e sem preocupações aparentes. Os familiares que acompanharam de perto todo o crime estão em estado de choque e mal conseguiram prestar depoimento.

Segundo a Divisão de Homicídios (DH), que assumiu o caso e está realizando uma investigação conjunta com a Unidade Integrada Pro Paz (Uipp) de Murinim, duas das vítimas tinham passagens pela polícia. Afonso já havia sido preso em Marituba por ser suspeito de balear uma pessoa, mas cumpriu toda a pena e estava há um ano em liberdade. O adolescente também já tinha sido encaminhado ao Data após ser apreendido por atos infracionais.

O escrivão Ivo Brandão, que esteve no local do assassinato e ouviu relatos de testemunhas, declarou que em toda sua experiência na polícia nunca viu nada como o resultado que ficou na casa, afirmandno que havia mancha de sangue por todas as paredes, chegando a comparar o local a um cenário de guerra. 

Até o momento não há informações sobre os criminosos e nem sobre o modelo do carro, mas algumas pessoas afirmam que um dos números da placa do veículo era um seis. Vários delegados estão trabalhando juntos para efetuar a investigação e desvendar o que de fato aconteceu.