Mais Acessadas

Homem é preso após estuprar criança de seis anos

Vítima é filha de uma vizinha do criminoso. Caso aconteceu em terreno próximo a shopping da avenida Centenário


Por: Redação ORM News Em 30 de março, 2017 - 10h10 - Polícia

Foto: Victor Furtado

Vestindo a máscara de uma pessoa do bem, Augusto das Chagas Ferreira Junior, de 33 anos, enganou toda a vizinhança do bairro do Barreiro, na rua do fio, em Belém. Conhecido por todos os moradores da área, o homem se mostrava sempre muito gentil, o que o fez conquistar a confiança da mãe da vítima, uma menina de 6 anos. 

Na tarde do último sábado (11), Augusto pediu para levar a criança ao Shopping Bosque Grão-Pará, localizado na avenida Centenário, no bairro de Val de Cans, em Belém. A mãe, por confiar no vizinho, permitiu o passeio.

As câmeras do estabelecimento gravaram toda a rota de Augusto com a menina dentro do local. Lanches, exposições, compras de roupas e brinquedos, tudo como prometido. Até que, na hora da saída, o criminoso levou a criança para o pátio de uma construtora, nas proximidades do shopping e abusou a criança. 

Na investigação foi constatado que não houve conjunção carnal, ou seja, o ato da penetração, mas o homem tocou nas partes íntimas da menina, assim como a filmou e fotografou sem roupas, o que já é caracterizado como estupro de vulnerável. 

Por sua pouca idade e inocência, sem entender o que estava acontecendo, a criança permitiu todas as práticas de Augusto, mascaradas em tom de brincadeira. Ali próximo, indignado, um segurança da construtora viu toda a ação, ligou para o 190 e acionou imediatamente a polícia, com a esperança de que conseguissem pegar o abusador em flagrante, mas foi surpreendido pela informação de que nenhuma viatura estava disponível no momento para atender a ocorrência. Em seguida, e sem saber que alguém tinha presenciado a cena, Augusto foi embora com a menina, na mesma moto em que chegara. 

Foto: Reprodução / Victor Furtado

O segurança, indignado com tudo o que tinha acontecido, solicitou as imagens da câmera de segurança que conseguiram captar toda a ação de Augusto. Mesmo não sendo mais um flagrante, o segurança acionou novamente a polícia que abriu inquérito para começar uma investigação do caso pela Seccional da Sacramenta.

Foram 16 dias de trabalhos investigativos até chegar à conclusão e identidade do culpado. Por estar sempre de capacete, a polícia encontrou dificuldade em achar imagens que captassem o criminoso de frente, assim, para obter provas concretas da identidade de Augusto, foi necessário um exame de prosopografia. No teste prosopográfico, que chegou até a foto do registro civil de Augusto, foi constatado 100% de compatibilidade entre o perfil do acusado e as filmagens, sendo expedido, no dia 27 de março, o mandado de prisão do mesmo. 

Augusto foi preso pelos policiais na manhã desta quinta-feira (30), por volta das 6h, quando estava na casa de seu sogro, residência próxima ao local onde a vítima mora com a mãe. Familiares, amigos e conhecidos não se recusavam a aceitar a acusação e o mandado de prisão, acreditando que só poderia ser um engano, já que Augusto nunca foi suspeito de nenhum crime e possui dois filhos, sendo um menino de cinco anos e uma menina de nove, o que gerou uma grande confusão no momento da detenção.

O acusado, que estava desempregado e fazia 'bicos' como mototaxista, para tentar se defender, afirmou aos policiais que estava bêbado e não lembrava de nada que eles estavam afirmando. A mãe de Augusto entrou em estado de choque, sem acreditar que o filho havia cometido o abuso. O homem de 33 anos foi levado pelos policiais para a Seccional da Sacramenta e está preso, inicialmente, por estupro de vulnerável, que pode dar em média 15 anos de cadeia. 

Sua sentença pode agravar caso seja comprovado que ele enviou as imagens da menina para algum endereço na internet, já que em seu celular, também apreendido pelos policiais, foi constatado que ele pertencia a inúmeros grupos de pornografia, o que será investigado para saber se ele possui algum envolvimento com redes de pedofilia. Caso seja comprovado, Augusto também responderá pelos crimes de produção de conteúdo pornográfico e transmissão de conteúdo pornográfico. 

A criança de seis anos vai passar por um atendimento psicosocial para identificar se houve mais abusos.