Mais Acessadas

Foragido tenta fazer prova da PM, mas é reconhecido e preso

Ele é acusado de homicídio no estado do Ceará e foi pego hoje ao tentar fazer os testes físicos do concurso da PM no Pará


Por: Redação ORM News Em 04 de abril, 2017 - 09h56 - Polícia

A Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO) prendeu na manhã desta terça-feira (4) um candidato do concurso da Polícia Militar (PM) do Pará. Diogo da Silva (31), como foi identificado, compareceu na Escola Superior de Educação Física, na avenida João Paulo II, bairro do Marco, em Belém, para realizar testes físicos para ingressar na polícia, mas foi reconhecido. 

O homem é acusado de envolvimento em um homicídio que aconteceu no município de Juazeiro do Norte, no Ceará, em agosto de 2015. A prisão de Diogo foi realizada após operação conjunta entre a DRCO, em nome do delegado Evandro Araújo, e o Núcleo de Homicídios e Proteção à Pessoa de Juazeiro, em nome do delegado Giovani. De acordo com eles, o suspeito é envolvido com um grupo de milicianos do estado do Ceará. 

Foto: Victor Furtado

Segundo o delegado Evandro, responsável pelo caso, as histórias que Diogo conta se contradizem, principalmente em relação às datas em que os fatos teriam acontecido. Ele alega ter sido apenas testemunha de um homicídio, mas não confirma autoria de nenhuma execução, afirmando que, o responsável pelo assassinato pelo qual responde é um policial militar que já morreu, supostamente identificado como 'cabo L Silva'.

Diogo ainda afirma em todo o processo só foi chamado à delegacia uma vez para prestar depoimento, mas não compareceu por ter sido ameaçado pelo policial militar. Ele diz que é casado, tem dois filhos e que sempre trabalhou como vigilante patrimonial, mas teve que mudar de profissão nos últimos anos por ter ficado desempregado, indo para o setor comercial como autônomo. 

O acusado se inscreveu normalmente no concurso da PM do Pará, realizou a etapa da prova escrita, passou tanto na análise cadastral como na fase dos antecedentes criminais, e chegou a fazer metade do teste de aptidão física, quando foi surpreendido pelos policiais da DRCO e impedido de dar continuidado à prova. Diogo será ouvido da Divisão e sua transferência para o Ceará será posteriormente solicitada. Nada foi apreendido com o acusado.