Mais Acessadas

Com proibição de queima de fogos, estivadores protestam

Categoria disse que já foram investidos R$ 52 mil com a homenagem. Diretoria da festa alega risco aos romeiros


Por: Portal ORM Em 29 de setembro, 2017 - 10h10 - Círio

Antônio Silva

Participando das homenagens à Virgem de Nazaré nos últimos 103 anos, os estivadores foram proibidos de realizar sua tradicional queima de fogos durante as procissões do Círio na Praça dos Estivadores. Segundo Moisés Sousa, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estiva e Minérios do Estado do Pará (Setemep), a categoria decidiu que irá realizar um protesto que interromperá a procissão do segundo domingo de outubro.

“Já arrecadamos R$ 52 mil para a homenagem. Então os Bombeiros, o Ministério Público e  Diretoria da Festa de Nazaré dizem vinte dias antes que não podemos mais queimar os fogos na Praça dos Estivadores. Os mais de mil homens da nossa categoria estão indignados com essa decisão, pois esse dinheiro vem do suor do trabalhador, que só quer homenagear Nossa Senhora”, disse Moisés Sousa.

Os órgãos de segurança alegam que a queima dos fogos na Praça coloca em risco a integridade física dos romeiros e, a partir desse ano, a homenagem só pode ser feita em uma balsa, que deve ficar atracada próximo à escadinha da Estação das Docas. Ainda de acordo com o presidente da Setemep, além dos investimentos no fogos de artifícios, o sindicato gasta cerca de R$ 9 mil reais contratando uma empresa privada para isolar a área a garantir a segurança dos espectadores durante o Traslado e o Círio de Nazaré.

“Há 103 anos estamos participando das procissões e ninguém se feriu. Querem que soltemos os fogos em uma balsa, atrás dos fogos dos Arrumadores. Não é isso que queremos, pois parecerá que os fogos serão da outra categoria”, disse o presidente. “Ano passado, os bombeiros disseram que teríamos que diminuir o número de fogos e aumentar o diâmetro para a segurança dos romeiros, e foi o que fizemos. Esse ano, eles simplesmente mudaram as regras e nos avisaram 20 dias antes”, disse Moisés Sousa.

O presidente dos estivadores espera que a situação seja resolvida antes das procissões, e espera que a homenagem possa ser realizada de forma pacifica. Contudo, ele ressalta que a categoria já se decidiu pelo protesto durante as procissões caso a situação não mude. “Só queremos renovar nossa fé com essa homenagem. Gastamos nosso dinheiro e nosso suor com nossos fogos, que é uma das maiores e mais bonitas homenagens do Círio", concluiu.