Mais Acessadas

Chapecoense vence o Atlético Nacional por 2 a 1

Sobreviventes do acidente aéreo em Medellín entraram em campo antes da partida


Por: O Globo Em 05 de abril, 2017 - 08h08 - Futebol

Jogadores da Chapecoense comemoram o gol de Reinaldo sobre o Atlético Nacional - NELSON ALMEIDA / AFP

Não era um jogo qualquer. Afinal, não é sempre que o time adversário é aplaudido ao entrar em campo para seu aquecimento, nem é comum que bandeiras do país do adversário desfilem com naturalidade pelas mãos dos torcedores locais. Ou, exemplo maior, a torcida da casa aplaudir um gol do visitante. Em meio a um clima de emoção e amistosidade infelizmente poucas vezes visto em um estádio, Chapecoense e Atlético Nacional finalmente se enfrentaram, quatro meses após a tragédia com o avião da LaMia, que matou 71 das 77 pessoas que viajavam para Medellín para a final da Copa Sul-Americano do ano passado ao cair próximo ao aeroporto da cidade.

Em uma Arena Condá lotada, a Chapeooense venceu por 2 a 1, no primeiro jogo da final da Recopa Sul-Americana. A competição reúne os campeões da Libertadores e da Copa Sul-Americana do ano anterior.

Antes da bola rolar, homenagens. Os prefeitos de Chapecó, Luciano Buligon, e Medellín, Frederico Zuluaga, discursaram e bandeirões de Chapecoense e Atlético Nacional foram estendidos no gramado. Porém, o que mais emocionou os torcedores foi a entrada em campo dos quatro brasileiros que sobreviveram à tragédia.

O jornalista Rafael Henzel e os jogadores Neto, Alan Ruschel e Jackson Follmann foram ovacionados e, entre aplausos e lágrimas, agradeceram o apoio dos torcedores.

— Não esperem um avião cair para dizer ‘eu te amo’, para pedir perdão, para dar um abraço, para dar um beijo. Você tem a oportunidade todos os dias de fazer diferente, de fazer o amor — disse o zagueiro Neto, emocionado.

Torcedores da Chapecoense com uma bandeira da Colômbia na Arena Condá - Andre Penner / AP

Com a bola rolando, os minutos iniciais foram de muito toque de bola e pouca efetividade. Era quase como se os times não quisessem atacar um ao outro. O primeiro momento de perigo só surgiu aos 17 minutos, em chute de fora da área de Reinaldo defendido pelo goleiro Armani.

A partir daí, o jogo esquentou. O lance pareceu ter quebrado o gelo e feito os jogadores se lembrarem que, homenagens à parte, havia uma taça em disputa.

O Atlético Nacional teve um gol anulado com Dayro Moreno aos 21 e, no minuto seguinte, João Pedro fez boa jogada dentro da área e chutou. A bola bateu no braço de Bocanegra, e o árbitro anotou o pênalti. Reinaldo bateu bem para abrir o placar.

Os colombianos voltaram melhores para o segundo tempo e empataram aos 13, com um golaço de Macnelly Torres. Nas arquibancadas, aplausos respeitosos por parte da torcida da Chapecoense.

Aos 28, Reinaldo cobrou escanteio da esquerda e Luiz Otávio cabeceou bonito para garantir a vitória da Chapecoense.

O jogo de volta será em 10 de maio, no estádio Atanásio Girardot, em Medellín. Independente do resultado, já se sabe que, novamente, não será um jogo qualquer.