Mais Acessadas

Cai número de mortes nas estradas paraenses no Carnaval

O balanço final da operação Carnaval deste ano foi apresentado em entrevista coletiva nesta quinta-feira (9) na Segup


Por: Redação ORM News com informações da assessoria Em 09 de março, 2017 - 22h10 - Pará

Caiu em 52% o número de mortes causadas por acidentes de trânsito nas estradas paraenses durante o feriado de carnaval, segundo balanço da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup). Foram 14 registros este ano contra 29 de 2016. Também houve redução no total de condutores flagrados dirigindo sob efeito do álcool. De 102 no ano passado, os registros caíram 5%, para 97 este ano. Os dados foram apresentados em entrevista coletiva na Segup nesta quinta-feira (9).

“Queremos o retorno dos foliões às residências, por isso sempre intensificamos as ações antes, durante e depois do carnaval, mas, infelizmente, ainda existem condutores que insistem em desobedecer às regras e quando não pagam multas, acabam pagando com a vida pelos excessos”, disse o secretário de Segurança, Jeannot Jansen.

O balanço final da operação Carnaval deste ano foi apresentado em entrevista coletiva nesta quinta-feira (9) na Segup. (Foto: Agência Pará)

Em geral, o balanço da Segup apontou várias reduções de ocorrências em todo Estado. Os dados do Sistema Integrado de Segurança Pública apontam para queda de 28% nos homicídios: em 2017 foram computados 55 casos, e em 2016, 76. Contudo, na capital, houve aumento de 55%, com 17 registros este ano contra onze do ano passado.

Os registros de latrocínio também caíram em 2017 no comparativo com 2016. No ano passado, foram seis pessoas mortas após assalto, e apenas uma durante o carnaval deste ano. Ocorrência que costuma ser expressiva na época de feriados, o roubo também caiu, 38%, com 1.185 ocorrências em 2017 e 1.897 em 2016.

Além do trabalho integrado dos agentes de segurança, outros fatores contribuíram para a diminuição dos delitos, na avaliação da secretaria. “A integração das polícias Civil e Militar, unidas às ações com os demais órgãos, possibilitaram esse resultado, mas também as intensas chuvas e as restrições econômicas das famílias se somaram a esse conjunto de fatores que ‘puxaram’ os índices para baixo”, analisou o coronel PM Paulo Figueiredo, diretor da Secretaria Adjunta de Inteligência e Análise Criminal da Segup.

Prisões – A Polícia Militar deflagrou 1.848 ações, desenvolvidas por 14 Comandos Regionais. Como resultado do trabalho foram registrados diversos tipos de ocorrência, dentre 505 averiguações, 164 de desordem, 77 roubos a transeuntes, 64 de violência doméstica, 38 lesões corporais e 35 casos de ameaças. A PM prendeu 493 pessoas por diversos delitos.

Outras 58 pessoas foram presas, em todo o Pará, por conta de desordem e perturbação do sossego alheio, ocorrência que surge em primeiro lugar, seguida por atos infracionais (41 prisões) e prisões por entorpecentes (33). Em todo o Pará os militares fizeram 26.415 abordagens, 15.079 a transeuntes, 5.797 a motocicletas, 2.632 a carros, 737 a mototáxis, 400 a táxis e 199 a ônibus.

A PM também apreendeu 1,4 quilo de drogas. Desse volume, os Comandos Regionais apreenderam 645 gramas de maconha (CPRVIII/ sede em Castanhal), 64 gramas de cocaína (CRPR IX/ sede em Abaetetuba) e 46 gramas de pedra de crack (CPRVIIII/ sede em Altamira).

O Corpo de Bombeiros atendeu 354 ocorrências. Houve dois registros fatais de acidente de trânsito nas estradas de Mosqueiro e Santa Maria do Pará. Também foram registradas 13 ocorrências de princípio de afogamento nas localidades de Outeiro (três), Mosqueiro (três), Caraparu (duas), Cametá – Aldeia (uma), Salinas (três) e Peixe-Boi (uma).

Trânsito – Durante o período foram registradas seis colisões, quatro com danos materiais e duas com vítimas não-fatais. Foram registradas 1.068 notificações de infração de trânsito, e 90 veículos foram removidos ao Parque de Retenção do Departamento de Trânsito do Estado (Detran) por apresentarem irregularidades na documentação e equipamentos obrigatórios. No total, 70 carteiras de habilitação foram recolhidas.

O município de Salinópolis apresentou os maiores números de infrações de trânsito, 248, seguido de Tucuruí, com 211, Mosqueiro (143), Marapanim/ Marudá (117) e Bragança (92). Dessas infrações, 34% estão relacionadas ao licenciamento em atraso, 29% ao não uso de capacete de segurança e 7,11% à condução sob efeito de álcool. O distrito de Mosqueiro registrou 70 delitos relacionados ao trânsito, 45 por direção sob o efeito de álcool.

Ciop – O Centro Integrado de Operações (Ciop) recebeu 40.103 chamadas pelo 190, das quais 33.367 foram atendidas e 6.736, abandonadas. Entre as chamadas atendidas, foram 12.901 ligações não completadas, 9.997 ligações falsas (trotes), 2.791 pedidos de informação, 1.945 ligações erradas e 19 agradecimentos pelo atendimento do 190, ligações que não deveriam ser feitas para um centro de chamadas para atendimento de urgência e emergência.

Sobre os casos verídicos, o Ciop registrou 4.077 ocorrências na Região Metropolitana de Belém (RMB). As dez principais ocorrências no período da operação Carnaval 2017 foram poluição sonora/ perturbação do sossego alheio (8,12%), roubo (1,37%), atitude suspeita (1,34%), ameaça (1,15%), lesão corporal (1,14%), veículos (1,06%), drogas ilícitas (0,47%), desordem (0,45%), com animais (0,43%) e acidente de trânsito (0,41%).

A Polícia Civil fez mais de 170 procedimentos durante os cinco dias da operação Carnaval de 2017. Entre eles estão prisões em flagrante, Termos Circunstanciados de Ocorrência e inquéritos. Ao todo, 148 servidores, entre policiais civis e administrativos, reforçaram o efetivo em 26 delegacias do interior do Estado e da Região Metropolitana de Belém, no período de 24 de fevereiro a 1º de março.

O Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, ao fim da operação, fez 25 perícias. Os trabalhos foram feitos por equipes compostas por peritos criminais, médicos legistas, motoristas e auxiliares técnicos de perícias, que ficaram 24 horas de plantão. O centro constatou que a perícia de lesão corporal foi a mais solicitada nos municípios (16), seguida dos toxicológicos (cinco), veicular (quatro) e local de crime sem cadáver (uma). A perícia de toxicologia, que é a constatação de drogas, analisou cinco gramas de maconha em Mosqueiro, 201 gramas de cocaína em Salinópolis e seis porções de maconha em Cametá.