Mais Acessadas

Alta abstenção manda recado aos políticos

Desinteresse indica a necessidade de mudança no sistema eleitoral


Por: O Liberal Em 16 de outubro, 2016 - 08h08 - Eleições

Foto: Advaldo Nobre/ Agência Pará

Nesse pleito, um quarto do eleitorado belenense não escolheu nenhum dos candidatos: 19% dos aptos a votar (198.238) não compareceram às urnas, outras 22.928 (2,71%)  votou em branco para prefeito e 44.565 (5,27%) anularam o voto. Ou seja, 26,98% não compareceram ou fizeram questão de registrar sua insatisfação com os candidatos. Quando se analisa a votação para vereador, esse percentual chega a 29%. Apesar de estar na média de anos anteriores - em 2012, no primeiro turno, a soma das abstenções, brancos e nulos alcançou 24,57% em Belém  - esse número é considerado alto pela Justiça Eleitoral.

“Alguma coisa está acontecendo com o eleitor, porque temos uma abstenção muito alta. É preciso saber os motivos disso: se de fato esse eleitor não estava no seu município ou se ele não compareceu porque não tinha interesse”, observou o juiz eleitoral Elder Lisboa, da 98ª Zona Eleitoral. 

“Você simplesmente não ir é complicado. Quando eu vou e voto branco ou nulo, estou dando uma resposta que não estou satisfeito com o que está aí. Eu ir à seção e votar branco ou nulo passa o recado que as classes políticas têm que se reinventar, mudar seus programas. Esse tipo de voto sim, demonstra uma resposta do eleitor. A abstenção não, ela precisa de uma investigação para saber por que ocorreu”, ressalta o magistrado. 

Para ele, uma das mudanças que o eleitor espera é a reforma política. “Ele demonstra que não quer mais o sistema político como está. Uma das alternativas é o voto distrital”, observa. 

Ao contrário do que algumas pessoas acreditam, os votos brancos e nulos não vão para nenhum candidato e nem podem anular uma eleição. “Eles afetam a legitimidade do eleito. Imagina quando as abstenções e os votos brancos e nulos, somados, são maiores que a quantidade de votos que teve o primeiro colocado. Não muda nada, mas afeta a legitimidade dele e mostra que alguma coisa está acontecendo e precisa mudar”, observa o Elder Lisboa.

Se o eleitor somou, nesse pleito, três faltas sem justificativa, só poderá votar no segundo turno se comparecer até o dia 25 de outubro ao cartório eleitoral, para se habilitar. Caso tenha menos de três faltas sem justificativa, poderá votar normalmente no segundo turno, mas precisa ficar atento aos prazos, porque a falta de quitação eleitoral pode trazer consequências como impedimento para tirar passaporte ou ingressar em cargo público. Os eleitores têm o prazo de até 60 dias após a data da votação para resolver sua pendência sem pagamento de multa.