Mais Acessadas

350kg de pescado são apreendidos no sudeste paraense

Operações de fiscalização garantem o cumprimento ao período de defeso em algumas regiões


Por: Portal ORM News com informações da Agência Pará Em 04 de fevereiro, 2017 - 17h05 - Pará

Quase 350kg de pescado e ferramentas de pesca ilegais foram apreendidas na área de Tabuleiro do Embaubal, localizada na Reserva de Desenvolvimento Sutentável Vitório de Souzel, no município de Senador José Porfírio, sudeste paraense. As apreensões foram resultado de uma ação desenvolvida pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), em parceria com o Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), da Polícia Militar, e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo de Senador José Porfírio (Semat), nos dias 2 e 3 de fevereiro. 

Foto: ASCOM Ideflor-Bio

No primeiro dia da ação, a equipe encontrou oito redes, uma rede tartarugueira e uma douradeira, além de 150 quilos de peixe, às proximidades da Comunidade de Vila Nova.No segundo dia, foram encontradas mais dez redes de malhas variadas, na localidade de Igarapé Jarauá. Na Ilha Furupe, os agentes ambientais apreenderam duas redes. Já na Ilha da Juventa, uma rede tartarugueira foi recolhida. Além dos materiais para pesca, mais de 200 quilos de peixe das espécies Filhote, Mapará e Curimatá foram apreendidos e, como ainda estava em condição de consumo, foram doados para os moradores de Vitória de Souzel.

Proteção – O Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Tabuleiro do Embaubal e a RDS Vitória de Souzel, estão sob responsabilidade da Gerência da Região Administrativa do Xingu (GRX/Ideflor-bio), foram criados com objetivo central de proteger a tartaruga da Amazônia, que migra entre os meses de agosto e fevereiro pelo Rio Xingu para desovar nas praias do Tabuleiro do Embaubal. Além de constituir um trabalho rotineiro de proteção às tartarugas da Amazônia nas Unidades de Conservação, as operações de fiscalização garantem o cumprimento ao período de defeso, época em que a pesca comercial fica proibida em algumas regiões, o que garante a reprodução das espécies e a manutenção da atividade da pesca sustentável.