Mais Acessadas

Bauru foi a região com maior crescimento de homicídios no Estado de SP

Bauru teve crescimento de 120% dos assassinatos e de 29,3% dos assaltos


Em 24 de dezembro, 2012 - 19h07 - Brasil

Em novembro, os homicídios cresceram em seis das nove regiões do interior de São Paulo e os roubos, em cinco delas, na comparação com o mesmo mês do ano passado. A recordista de aumento foi a região de Bauru, que teve crescimento de 120% dos assassinatos e de 29,3% dos assaltos.

Além de Bauru, também registraram aumento nesses dois tipos de crimes as regiões de Sorocaba, Presidente Prudente e Piracicaba. Os dados desses locais ajudaram a fazer a criminalidade no Estado ficar acima da que foi registrada em 2011. Depois de Bauru, o maior aumento nos homicídios ocorreu na região de Piracicaba (42%) - no caso de Presidente Prudente, o crescimento até seria maior, mas, como a quantidade de casos (5) é muito pequena, o aumento não é relevante do ponto de vista estatístico

O mapa da criminalidade no interior do Estado revela ainda que os homicídios cresceram 8% no mês na região de Ribeirão Preto, uma das áreas mais fortemente afetadas pela "guerra" entre o Primeiro Comando da Capital (PCC) e policiais militares - é justamente esse embate que pode justificar o aumento de 50% desse tipo de crime registrado na capital no mesmo período.

Em outras áreas afetadas pela "guerra", a criminalidade registrou comportamentos diferentes. É o caso da Baixada Santista, que teve estabilidade no número de assassinatos e diminuição de 4,3% dos roubos. Em Sorocaba, o aumento dos homicídios chegou a 23,8% das mortes e 11,3% dos assaltos.

Quedas. Algumas áreas registraram bons índices no interior. Ao contrário do comportamento dos homicídios em quase todo o Estado, os assassinatos diminuíram 31% em novembro na região de Campinas. Também caíram 7% na área de São José dos Campos - o Vale do Paraíba foi a única região do Estado de São Paulo que teve queda de roubos e homicídios. A diminuição do crime no Vale pode ser consequência do reforço do policiamento na região, feito durante o ano depois que a área registrou números ruins de criminalidade no semestre passado.

A Secretaria da Segurança Pública não quis comentar os números. Informou apenas que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) deve se manifestar após o feriado de Natal.

Depois de mais de um mês da mudança nos comandos das Polícias Civil e Militar, a nova gestão não definiu ainda quem deve ou não permanecer em seus cargos.

Futuro. As mudanças estão ocorrendo de forma paulatina, provocando incertezas nas duas polícias. "A máquina está parando", afirmou um delegado à reportagem. No caso da Polícia Militar, o Comando da PM planeja quem será o comandante da região de Campinas. Na Polícia Civil, as duas únicas mudanças importantes ocorreram na chefia do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap) e na Corregedoria da Polícia Civil, cargos que eram ocupados por delegados identificados com a gestão de Antonio Ferreira Pinto, anterior à de Fernando Grella Viera na secretaria.

Fonte: Estadão Conteúdo