Mais Acessadas

Natura lança edital de pesquisa exclusivo para a região amazônica

Chamada de projetos destina-se a patrocinar estudos liderados por instituições locais


Em 05 de setembro, 2012 - 13h01 - Amazônia

Com o lançamento do Programa Amazônia, em julho do ano passado, a Natura estabeleceu um compromisso contribuir com o desenvolvimento da região a partir do investimento em ciência, tecnologia e inovação. Neste sentido, em 2012, a empresa ampliou o Programa Natura Campus e abriu uma chamada específica para patrocinar projetos de pesquisa conduzidos por instituições de ciência e tecnologia sediadas na região amazônica: o edital Natura Campus Amazônia. O edital está disponível no portal www.naturacampus.com.br. Os interessados devem submeter seus projetos até o dia 22 de outubro de 2012.

Com essa iniciativa, a Natura pretende estimular o ambiente científico local, de forma que, além de objeto de pesquisas, a região seja protagonista dos estudos, compartilhando conhecimentos e tecnologias com instituições nas esferas local e global. 'Não só é possível, como também necessário que a Amazônia deixe de ser vista exclusivamente como fornecedora de matéria-prima e passe a ter sua vocação tecnológica revelada e valorizada como impulso para a promoção de um universo de oportunidades, que deverão ser traduzidas em benefícios para as populações locais e para toda a sociedade', destaca Victor Fernandes, diretor de Ciência e Tecnologia da Natura.
 
O edital Natura Campus também possui a categoria 'Ciência, Tecnologia e Inovação', aberta a instituições de todo o Brasil e do mundo que desejem inscrever propostas multidisciplinares e de alto impacto. Já a chamada de projetos Natura Campus Amazônia só receberá propostas de estudos liderados por instituições de pesquisa da Amazônia Legal ou que envolvam estas, voltados aos temas a seguir.
 
Cultura e sociedade - Estuda os fenômenos humanos nos âmbitos das comunidades e de como se organizam, do conhecimento tradicional, da economia, da cultura e das relações que configuram a realidade sociocultural e ambiental.
 
Conservação e biodiversidade - Investiga o potencial tecnológico dos sistemas biológicos, partindo de uma escala molecular até o nível ecossistêmico, assim como a interpretação, compreensão, modelação, valoração e gestão adaptativa dos fenômenos ambientais.
 
Floresta e agricultura - Busca métodos de estudo e modelagem da dinâmica dos sistemas agrícolas e florestais, em busca do avanço técnico da produção vegetal, da elevação da produtividade e do aprimoramento do manejo e da conservação dos recursos naturais.
 
Design de produtos e processos - Estuda produtos, processos, sistemas e ambientes de produção, voltado à concepção, ao desenvolvimento, ao dimensionamento e ao melhoramento de sistemas e processos físicos, químicos e biológicos que visam à obtenção de bens e serviços de valor para a sociedade.
 
A empresa pretende gerar novas demandas e oportunidades de trabalho para os pesquisadores locais. 'Para isso, seguiremos o modelo de inovação aberta, que a Natura adotou há mais de cinco anos, envolvendo instituições acadêmicas, de ensino, de pesquisa tecnológica e científica e de investigação social e econômica. Fomentaremos o desenvolvimento de novas pesquisas, ajudando a fortalecer os laboratórios e as instituições já existentes, de forma direta ou através de editais específicos', explica Victor Fernandes, diretor de Ciência e Tecnologia da Natura.
 
Sobre o Programa Amazônia - O Programa Amazônia busca gerar novos negócios a partir do investimento em pesquisa e inovação, com foco no uso sustentável de produtos e serviços da sociobiodiversidade e na valorização do conhecimento tradicional e da cultura da região. Sua atuação abrange a Amazônia Legal Brasileira, com concentração de esforços em territórios sustentáveis já identificados pela empresa. Na primeira etapa, de 2011 a 2013, o foco é a expansão no segmento de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos por meio de investimentos em ciência, tecnologia e inovação e da estruturação de cadeias produtivas da sociobiodiversidade. Até 2020, a meta é expandir a atuação do Programa para a Amazônia Latino-Americana.