Mais Acessadas

Integração da Amazônia requer soluções geradas na própria região


Em 13 de junho, 2012 - 12h12 - Amazônia

 

O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Adalberto Val, disse que não existe um modelo único para o desenvolvimento sustentável da região. Ele participa hoje (13) da sessão Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia: Uma Perspectiva Brasileira, que será promovida pela Academia Brasileira de Ciências (ABC) no fórum sobre desenvolvimento sustentável que ocorre até o próximo dia 15 na Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC/RJ). O evento é preparatório à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que começa hoje e vai até o dia 22.

 

Em entrevista à Agência Brasil, o diretor do Inpa, que é também integrante da ABC, disse que a Amazônia é uma região “'xtremamente complexa', com várias vertentes que se distribuem por toda a área e demandam abordagens distintas. Por isso, ele explicou ser difícil apontar uma única solução para a integração da região ao desenvolvimento  nacional.

 

Val defendeu a necessidade de soluções variadas, adequadas a cada uma das questões que se apresentam. Ele citou um ponto que considera fundamental nesse contexto - 'não há como falar em sustentabilidade, em  desenvolvimento sustentável, em conservação ambiental, em economia verde,  sem  ciência e tecnologia'.

 

O diretor observou, entretanto, que no caso da Amazônia, a ciência e  a tecnologia não podem ser importadas. Isso significa que elas precisam ser desenvolvidas 'na região e para a região'. Para ele, esse é o principal gargalo para o desenvolvimento regional.

 

'Se a gente quiser diminuir os conflitos na região e aumentar o processo de inclusão social e de geração de renda,  precisa, na realidade, da utilização, cada vez maior, de produtos sustentáveis a partir do coração da floresta. São novos produtos, novos processos, gerados a partir do conhecimento que se tem da floresta', reiterou.

 

Para que isso ocorra, ele lembrou que o país precisa de ciência robusta e também de educação a fim de preparar a sociedade para absorver essas informações. O processo inclui a valorização da cultura e dos saberes tradicionais locais.

 

Adalberto Val assegurou que “não dá para desenvolver de fora e levar para lá (Amazônia). Na sua opinião, a ciência é uma atividade social, com fins sociais. 'Portanto, ela precisa respeitar as características sociais e culturais da região'.

 

O ponto de partida para a discussão no fórum será o conceito apresentado na publicação Amazônia: Desafio Brasileiro do Século 21 – A Necessidade de Uma Revolução Científica e Tecnológica, elaborado pela ABC. O documento sugere novo paradigma para o desenvolvimento sustentável na região.

 

Deverão participar também da sessão os acadêmicos da ABC Bertha Becker, geógrafa da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e Carlos Nobre, secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, além do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, Luciano Coutinho.

 


Fonte: Agência Brasil