Mais Acessadas

Amazonas tem o 5º metro quadrado mais caro do país, com R$ 845,78


Em 08 de outubro, 2011 - 15h03 - Amazônia

 

O custo do metro quadrado no Amazonas subiu de R$ 844,95 em agosto, para R$ 845,78, em setembro, uma aceleração de 0,10%, conforme dados do Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), divulgados nesta sexta-feira (7), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

 

Apesar da variação ter sido menor que a oscilação média nacional (0,19%), o Amazonas permanece como o 5º mais caro do país, para quem pretende construir - mesma posição ocupada em agosto. A unidade federativa só perde para os também nortistas Roraima (R$ 852,54) e Acre (R$ 876,53), além de São Paulo (R$ 881,16) e Rio de Janeiro (R$ 900,38).

 

 

O valor por metro quadrado no Estado é ainda 5,4% maior que as médias regional e brasileira, calculadas em R$ 802,38 e R$ 802,66, respectivamente, segundo o indicador.

 

 

De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon-AM), Cláudio Guenka, o valor é influenciado pelos custos com logística na aquisição dos insumos básicos para as obras.

 

 

"Há muita dificuldade de transporte para trazer areia, tijolo, aço e cimento dos municípios mais próximos da capital, além dos insumos de acabamento, como cerâmica, porcelana, entre outros, que são comprados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná", disse o dirigente, destacando que as aquisições feitas no eixo sul-sudeste encarecem os custos da construção na região.

 

 

Variações


A maior variação anual foi registrada no Maranhão (8,37%), enquanto que a menor ficou com Roraima (0,97%). No Amazonas, a variação nesse período marcou 5,09%, acima das médias regional (3,31%) e nacional (4,74%).

 

 

O Maranhão também ficou com a maior variação nos últimos 12 meses: 10,25%. Enquanto que Roraima repete a colocação, no outro extremo, com 1,58%. A média amazonense, nesse período, foi de 6,13%, percentual acima do dado regional (4,35%) , mas abaixo da média brasileira (6,26).

 

 

Fonte: G1