Mais Acessadas

Preço do pescado sofre alta generalizada na grande Belém

Reajuste de algumas espécies ultrapassa 30%


Em 01 de abril, 2011 - 15h03 - Economia

 


Com a proximidade da Semana Santa, a procura pelo pescado aumenta em todo o Estado e, por consequência, o preço do produto tende a subir também. De acordo com pesquisa divulgada pelo Dieese no Pará (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), nos últimos 12 meses, o valor de algumas espécies de pescado nos supermercados teve alta de 30% na grande Belém, e nos mercados municipais a alta chegou a 50%.

 


Os aumentos mais expressivos foram verificados nos preços médios dos seguintes tipos de pescado: piramutaba, com reajuste de 44,04%; filé de dourada, com um reajuste de 42%; camurim, com alta de 33,10%; filé de salmão, com reajuste de 32,25%; filhote, com alta de 30,35%; pescada amarela, com reajuste de 28,40%; dourada, com reajuste de 29,28%; dourada, com reajuste de 28,01%; filhote, com reajuste de 24,47%; e pescada amarela, com reajuste de 22,13. A inflação estimada para o mesmo período está girando em torno de 6%.

 

 

No mês de março, os maiores aumentos de preços nos mercados municipais foram verificados nos seguintes tipos de pescado: Pratiqueira, com alta de 10,66%; seguida da Pescada Amarela, com reajuste de 9,81%; do Xaréu, com 9,74%; da Tainha, com 9,49%; da Arraia, com 9,17%; do Bagre, com 8,60%; da Traíra, com 6,60%; do Tucunaré, com 6,15%; do Tamuatá, com 5,86%; da Piramutaba, com 5,22%; da Corvina, com 5,07%; do Filhote, com 4,31%; da Dourada, com 2,62%; do Peixe Serra, com 1,92%; do Tambaqui, com 1,32%; da Gurijuba, com 1,25% e da Pescada Go com alta de 1,02%.

 


Apesar disso, algumas espécies de pescado apresentaram quedas de preços no mesmo período nos mercados, as mais expressivas foram: Mapará, com recuo de 21,43%; Cação, com queda  de 11,27%; da Pirapema, com 4,58%; da Pescada Branca, com 2,42% e da Sarda, com queda de preço no período de 2,18%.

 


A queda mais significativa nos supermercados foi verificada no preço do tambaqui (inteiro kg), com queda de 13,89%.

 


'Como pode ser observado, o preço do peixe este ano, tanto nos mercados municipais, como em supermercados, seja na capital, na região metropolitana e em todo o Estado, está batendo recordes de aumentos. E tudo isso acontece no Pará, um dos Estados com maior volume de produção do pescado do país', analisa Roberto Sena, supervisor técnico do Dieese.

 

Veja os reajustes sofridos por cada espécie:

 


 

 

Decreto - O Governador Simão Jatene assinou, na tarde desta sexta-feira (1º), um decreto proibindo a exportação de pescados no período de 2 a 22 de abril de 2011. O objetivo é manter o pescado dentro do Estado e assim possibilitar a diminuição do preço no período da Semana Santa.

 


Para coibir qualquer tentativa de comercialização desse pescado, o governo lançou a operação 'Força Tarefa de Fiscalização do Pescado'. De acordo com o decreto, 'os veículos flagrados pela fiscalização por descumprimento às exigências legais deverão, após as providências devidas, retornar para comercialização do produto no mercado interno, às custas do infrator'.

 


Além de proibição de venda de peixes para fora do Estado no período da Semana Santa, o governo irá propor às indústrias de pescado, colônias de pescadores e cooperativas de captura aderir ao programa 'Peixe para valer', em que serão fornecidos pescados a preços populares nos dias 20 e 21 de abril de 2011.

 


Redação Portal ORM