Mais Acessadas

Editorial: Piadas de ditador


Em 17 de junho, 2010 - 09h09 - Editorial



Se não fosse ditador, Hugo Chávez, presidente da Venezuela, seria uma graça. Há ditadores, todavia, que se permitem ser engraçados. E alguns, até mesmo quando nem se dão conta disso, conseguem divertir enormes plateias.

 


Chávez é um deles.

 


Sem querer, o ditador venezuelano já divertiu uma plateia de dimensões mundiais, quando o rei de Espanha o mandou calar a boca com um 'por que não te calas?', que na época virou o toque de telefone celular mais baixado da internet em todo o planeta.

 


Agora, Chávez, um ditador aspirante a piadista, está de volta ao mundo das piadas.

 


Os canais britânicos BBC World News e BBC Mundo publicaram entrevista em que o  presidente aborda vários assuntos, desde relações da Venezuela com Irã e os Estados Unidos até a independência do Poder Judiciário em seu país.

 


Ainda que ninguém leve Hugo Chávez a sério, certas declarações suas ainda espantam. Como esta: 'Aqui não há ditadura. Eu fui eleito três vezes. E quando os ricos me tiraram por um golpe de Estado, o povo voltou a me trazer. Sou um democrata. Tenho a legitimidade que me foi dada pela maioria do povo. O socialismo democrático.'

 


O ditador garante que o Poder Judiciário da Venezuela é independente. E argumenta que o encarceramento de María Afiuini, uma ex-juíza que está presa por libertar um homem que Chávez considerava corrupto, é decorrente de decisão de 'um poder absolutamente autônomo, um Poder Judiciário que condenou uma ex-magistrada.'

 


Sobre corrupção, o ditador venezuelano também conseguiu divertir. Disse o seguinte: 'Aqui há ex-ministros em prisão condenados por corrupção, há funcionários condenados por corrupção em prisão, há grandes empresários em prisão condenados por corrupção. Aqui há uma luta contra a corrupção e poderes que estão funcionando e que nunca antes funcionaram como hoje.'

 


Chávez, como se vê, faz da mentira uma piada. Consegue transformar argumentos desprovidos de qualquer consistência, de qualquer veracidade num show, num espetáculo que seria risível, se não fosse protagonizado por um chefe de Estado.

 


É uma piada Chávez dizer não é ditador porque foi eleito três vezes.

 


Ao contrário, justamente porque é um ditador é que ele foi eleito três vezes.

 


Justamente porque é um ditador, Hugo Chávez aparelhou todos os setores da sociedade venezuelana, neutralizou pela força todos os segmentos posicionistas e se mantém no cargo. Muito provavelmente, ficará ainda por muito tempo, enquanto seu governo dispuser de instrumentos de exceção para governar.

 


É uma piada, além disso, Chávez dizer que a Venezuela tem um Judiciário independente. Não tem. Juízes têm medo do governo Chávez. Membros do Ministério Público também. Todos sabem que o governo os monitora. Todos sabem que podem sofrer retaliações. Nessas condições, a independência é apenas um anseio, não passa de uma ficcção.

 


É uma piada Hugo Chávez alegar que seu governo combate sem tréguas a corrupção, tanto que ex-ministros, funcionários e grandes empresários estão codenados por corrupção.

 


Chávez, é verdade, move um combate sem tréguas à corrupção. Mas só pune quem é inimigo do governo. Os ex-ministros  condenados são aqueles que dissentiram do governo Chávez. Idem os servidores públicos, idem os grande empresários condenados. Só acredita em Hugo Chávez quem não o conhece.

 


Só reserva um pouco de atenção a Hugo Chávez quem não conhece as suas tropelias, as violências que dissemina numa sociedade como a venezuelana, que está amedrontada.

 


E só ri da piadas de Hugo Chávez quem ainda não conseguiu dimensionar na exata dimensão os prejuízos que sua administração causou à Venezuela, um país que hoje se ressente até de papel higiênico nos supermercados.

 


Enfim, só ri da piadas de Hugo Chávez quem se compraz com piadas de mau gosto.

 

Fonte: O Liberal