03 de abril, 2014 - Belém

Palavra de Deus, fonte de comunicação - parte 6


Vamos aprofundar outros elementos de comunicação, da 'Escola de Jesus', que possam alimentar a nossa vida. Certo dia, Ele orava em particular, cercado dos discípulos, aos quais perguntou: 'Quem sou eu no dizer das multidões?' Eles responderam: 'João Batista; outros, Elias; outros, porém, um dos antigos profetas que ressuscitou'. Ele replicou: 'E vós, quem dizeis que eu sou?" Pedro, então, respondeu: "O Cristo de Deus!'

O Mestre lhes proibiu, severamente, de não dizer nada a ninguém sobre a declaração de Pedro. E acrescentou o motivo: 'É necessário que o Filho do Homem sofra muito, seja rejeitado pelos anciãos, chefes de sacerdotes e escribas, seja morto e ressuscite ao terceiro dia'. Este foi o discurso aos discípulos, em que lhes pediu o absoluto silêncio sobre o Filho de Deus. Depois falou para todos: 'Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e siga-me. Pois, aquele que quiser salvar sua vida a perderá, mas o que perder sua vida por causa de mim a salvará'.

O preço pela causa de Deus é bem claro e evidente: doar a própria vida pelo Mestre. Seu discurso é intercalado com brevíssimas expressões que dão a medida verdadeira de se fazer discípulos de Cristo e tem por argumento doar ou não doar a vida, porque quem quiser salvar a própria vida, repete com força o Mestre, perde-a; mas quem perde a própria vida, por causa dele, a salvará. É o critério básico da vida para a vida. Mas o discurso de Jesus não pára por aí.

Do tema da vida, com as suas perguntas e respostas, passa ao tema do mundo. Que serve ao ser humano se ganhar o mundo inteiro, mas perde ou prejudica a si mesmo? O chamamento que sai da boca do Mestre não se equivoca, 'pois quem se envergonhar de mim e de minhas palavras, o Filho do Homem dele se envergonhará, quando vier em sua glória e na do Pai e na dos santos anjos'. Depois desta colocação, com tanta clareza, Jesus fecha o discurso com uma declaração que indica a iminência desses fatos.

'Alguns dos que estão aqui presentes não provarão a morte antes de terem visto o Reino de Deus'. O trecho de Lucas que descreve o reconhecimento de Jesus, o Messias, é um dos momentos mais altos do Evangelho; e Lucas tem um grande mérito de tê-lo proposto com uma série de colocações, que eficazmente se entrelaçam. Tem um preâmbulo inicial no qual Jesus, rezando com os seus, pede a eles a opinião do povo sobre Ele. E depois a opinião que eles mesmos tem do Mestre.

A resposta de Pedro, 'o Messias de Deus', tem o pleno reconhecimento de Jesus, o qual solicita o silêncio absoluto sobre aquela intuição da fé. Depois deste íntimo colóquio com os apóstolos que agora possuem o pleno conhecimento de Jesus, o Mestre se aproxima ao povo que o segue falando sobre o problema do seu seguimento. Como temos visto, Jesus oferece uma breve, mas eficaz motivação que se baseia sobre a vida, sobre a maneira de salvá-la e de perdê-la.

O modo interessante, para fazer com que a nossa comunicação possa alcançar o objetivo proposto, é de iniciar a busca ou o diálogo por uma visão mais global das coisas, para depois fazer seguir o aspecto mais detalhado, isto é, se queremos dizê-lo em termos fotográficos, por uma visão grandangular (como lente que se abre ao máximo) chegar de maneira progressiva ao particular. Deste jeito, obtém-se as notícias sem indispor o interlocutor e envolvendo-o totalmente. Assim, pode-se obter as informações através de muitas pistas dando mais objetividade ao fato.

De fato, Jesus partiu do povo para depois chegar aos discípulos que estavam com Ele, para avaliar, neste caso, como Ele fosse considerado e entendido. Na comunicação é indispensavel fazer sempre o feed back (avaliação) para garantir a execução deste processo e assim chegar com transparência à realidade. Os condicionamentos sociais, por exemplo, podem determinar maneiras diferentes da recepção das mesmas mensagens, e por isso precisamos ter conhecimento através de constantes avaliações como é vivida a comunicação. De outro jeito teremos dificuldades de convivermos. 

Email: clpighin@claudio-pighin.net