26 de junho, 2014 - Belém

Educação ou formação?


Antes de discorrer sobre o título desse artigo, permita-me perguntar: ao longo da história de sua vida, será que você foi formado ou educado? O que prevaleceu mais, a educação ou a formação? E qual a principal preocupação das instituições de ensino, formar ou educar? É partir desses questionamentos que podemos entender melhor quem somos nós e entender a nossa maneira de ser. Primeiro vamos elucidar os dois termos para depois fazermos uma compreensão correta. Etimologicamente, o verbo educar vem da língua latina 'educere', que quer dizer 'tirar fora' ou 'tirar de fora o que está por dentro'. Isto deriva da união de 'e' ('tirar fora de') e 'ducere' (conduzir). Alguns dizem que vem do verbo latim 'educare', que quer dizer 'tirar fora, criar'. 

A palavra 'formação', sempre da língua latina, vem de 'forma', que significa 'tomar forma', 'figura estável', 'fixa'. A análise das palavras deu para perceber que elas não significam a mesma coisa e, assim, pode-se começar a compreender que tipo de escolaridade, por exemplo, existe no nosso meio. Que tipo de vivência familiar se está conduzindo. Que tipo de conhecimento é dado nas religiões e assim por diante. No final, o que prevalece: formação ou educação? Só para ajudar melhor a diferença entre os dois: ao longo da beira da estrada tem uma grande pedra. Ela incomoda e, então, pensam simplesmente em removê-la. Mas, por acaso, passa por ali um certo Michelangelo, o qual vendo-a ficou atraído e achou por bem trabalha-la. No final da escultura, aparece a famosa 'piedade'. 

O grande artista soube valorizar essa pedra e tornou-a famosa. No entanto, os outros não souberam valoriza-la e acharam que não tinha sentido estar ali, porque atrapalhava. Duas maneiras se colocar perante uma realidade, a de Michelangelo, que a valoriza ao máximo, e a dos outros que queriam jogar fora. Assim é quem sabe usar a educação: saber tirar de fora algo que está implícito dentro das coisas e das pessoas. Quantas vezes se perdem a oportunidade de fazer uma verdadeira educação nas escolas, nas igrejas, na sociedade! Por quê? É mais fácil formar que educar. Educar tem que se interiorizar para cavar o melhor que tem o teu receptor; e para isso precisa paciência e discernimento, como soube fazer Michelangelo com a pedra que a transformou na 'Pietà'. 

A questão da formação é como uma produção em série. Por exemplo, quando é utilizado em certos tipos de alimentos, como as latas de conservas, em que respeitam um padrão igual. É uma produção totalmente diferente da artesanal, em que o produto final é único. Isto quer dizer que a formação se preocupa repassar conhecimentos e todo mundo se torna igual. Com a educação se revela o valor da pessoa e com a formação se preocupa para que todo mundo saiba responder com os conhecimentos repassados. A educação dá vida, a formação é repetidora de conhecimentos. Pergunto-me, o que se aplica mais nas estruturas de ensino: formação ou educação? 

Para dizer a verdade, eu tenho medo ver como o ser humano age e pensa de maneira estandardizada. De fato, a formação leva a isso. A essa altura, precisamos tomar consciência de que tipo de ensino somos sujeitos ou prevalece entre nós. É urgente ensaiar o resgate dos valores que cada pessoa tem dentro de si. E acredito firmemente que cada um tem a sua preciosidade. Nós, enquanto obra de Deus, temos a sua 'semente' e, portanto, somos todos preciosos, basta que se encontre qual é a preciosidade de cada pessoa. É a partir daí que se pode fazer do ensino uma verdadeira educação que promove o ser humano. 

E justamente essa educação não consiste em conhecimentos formalizados, mas é muito mais amplo, comprometendo-se com a própria vida. Pude experimentar tudo isso com a minha escola. Jovens que iniciaram o curso eram inexpressivos, em todos os sentidos da palavra, e ao término nos surpreenderam positivamente pelos ótimos resultados alcançados. Esses jovens se transformaram e mostraram toda a personalidade deles, alimentando uma grande esperança de saber lutar na vida, em ter as conquistas desejadas. Educar é com certeza o mais difícil, porque requer maior compromisso do educador com o educando, enquanto a preocupação é plasmar a vida, cavar algo de dentro dela para que possa se manifestar com todo o seu potencial. Educação é arte do saber, formação é recepcionar conhecimentos.  

*Claudio Pighin, sacerdote e jornalista.

E-mail: clpighin@claudio-pighin.net