16 de abril, 2015 - Belém

A misericórdia salva o mundo


O mundo sente falta de misericórdia! O mundo precisa ter mais misericórdia! O mundo tem sede de misericórdia! Em resposta a esse imenso anseio, o nosso querido papa Francisco nos convida a celebrar um jubileu. Trata-se de um Jubileu Extraordinário da Misericórdia como tempo favorável para a Igreja, a fim de se tornar mais forte e eficaz o testemunho dos que acreditam. Ele terá inicio no dia 8 de dezembro de 2015 e vai até a solenidade litúrgica de Jesus Cristo, Rei do Universo, em 20 de novembro de 2016. O santo padre assim justificou essa sua maravilhosa escolha: “Escolhi a data de 8 de dezembro, porque é cheia de significado na história recente da Igreja. Com efeito, abrirei a Porta Santa no cinquentenário da conclusão do Concílio Ecumênico Vaticano II. A Igreja sente a necessidade de manter vivo aquele acontecimento. 

Começava então, para ela, um percurso novo da sua história. Os padres, reunidos no concílio, tinham sentido forte, como um verdadeiro sopro do Espírito, a exigência de falar de Deus aos homens do seu tempo de modo mais compreensível. Derrubadas as muralhas que, por demasiado tempo, tinham encerrado a Igreja numa cidadela privilegiada, chegara o tempo de anunciar o Evangelho de maneira nova. Uma nova etapa na evangelização de sempre. Um novo compromisso para todos os cristãos de testemunharem, com mais entusiasmo e convicção, a sua fé. A Igreja sentia a responsabilidade de ser, no mundo, o sinal vivo do amor do Pai.”

Portanto, como diz o papa Francisco, a Igreja sente essa grande responsabilidade de anunciar o Evangelho de maneira nova, para ser sinal no mundo de quanto Deus é misericordioso com ele. Eu acho que realmente o mundo não está experimentando esse amor de Deus pela misericórdia. Faltando isso, torna-se tudo meio complicado: a dimensão humana se torna uma ‘miopia’, enquanto não consegue discernir além da pura materialidade. Por isso, o santo padre continua como um bom pai que quer o bem dos seus filhos e filhas: “Quanto desejo que os anos futuros sejam permeados de misericórdia para ir ao encontro de todas as pessoas, levando-lhes a bondade e a ternura de Deus! A todos, crentes e afastados, possa chegar o bálsamo da misericórdia como sinal do Reino de Deus já presente no meio de nós.”

São palavras de conforto e encorajadoras para o ser humano não perder a esperança de que a vida é uma maravilha! Justamente o papa Francisco cita o grande teólogo Tomás de Aquino, revelando que a misericórdia de Deus faz parte da mesma natureza: “É próprio de Deus usar de misericórdia e, nisto, se manifesta de modo especial a sua omnipotência”. Portanto, uma omnipotência de amor. Quem nos revela esse verdadeiro rosto de Deus Pai foi Jesus: um Deus próximo das pessoas. Assim comenta o nosso papa: “Com o olhar fixo em Jesus e no seu rosto misericordioso, podemos individuar o amor da Santíssima Trindade. A missão que Jesus recebeu do Pai foi a de revelar o mistério do amor divino na sua plenitude. « Deus é amor » (1 Jo 4, 8.16): afirma-o, pela primeira e única vez em toda a Escritura, o evangelista João. Agora este amor tornou-se visível e palpável em toda a vida de Jesus. A sua pessoa não é senão amor, um amor que se dá gratuitamente. O seu relacionamento com as pessoas, que se abeiram d’Ele, manifesta algo de único e irrepetível. Os sinais que realiza, sobretudo para com os pecadores, as pessoas pobres, marginalizadas, doentes e atribuladas, decorrem sob o signo da misericórdia. Tudo n’Ele fala de misericórdia. N’Ele, nada há que seja desprovido de compaixão”.

“Vendo que a multidão de pessoas que O seguiam estava cansada e abatida, Jesus sentiu, no fundo do coração, uma intensa compaixão por elas (cf. Mt  9, 36). Em virtude deste amor compassivo, curou os doentes que Lhe foram apresentados (cf. Mt 14, 14) e, com poucos pães e peixes, saciou grandes multidões (cf. Mt 15, 37). Em todas as circunstâncias, o que movia Jesus era apenas a misericórdia, com a qual lia no coração dos seus interlocutores e dava resposta às necessidades mais autênticas que tinham. Quando encontrou a viúva de Naim, que levava o seu único filho a sepultar, sentiu grande compaixão pela dor imensa daquela mãe em lágrimas e entregou-lhe de novo o filho, ressuscitando-o da morte (cf. Lc 7, 15). 

Depois de ter libertado o endemoninhado de Gerasa, confia-lhe esta missão: « Conta tudo o que o Senhor fez por ti e como teve misericórdia de ti » (Mc 5, 19). A própria vocação de Mateus se insere no horizonte da misericórdia. Ao passar diante do posto de cobrança dos impostos, os olhos de Jesus fixaram-se nos de Mateus. Era um olhar cheio de misericórdia que perdoava os pecados daquele homem e, vencendo as resistências dos outros discípulos, escolheu-o, a ele pecador e publicano, para se tornar um dos Doze.” Com essas palavras, podemos discernir melhor a nossa vida e confiar em um grande futuro. (Continua na próxima semana o documento do papa)

*Claudio Pighin, sacerdote e jornalista.

E-mail: clpighin@claudio-pighin.net