20 de agosto, 2013 - Belém

Artigo: Propaganda partidária e candidatos presidenciais



Os principais candidatos em potencial à Presidência da República em 2014 terão a oportunidade de testar seus nomes entre o eleitorado neste segundo semestre. A exceção é Marina Silva. Como seu partido - o Rede - ainda não foi criado, ela não terá direito este ano ao horário eleitoral gratuito.

De acordo com o calendário eleitoral do Tribunal Superior Eleitoral, o PSDB terá direito a um programa de 10 minutos, em cadeia nacional de rádio e TV, no dia 19 de setembro. Também terá direito a inserções de cinco minutos (divididos em slots de 30 segundos a 1 minuto) ao longo dos dias 10, 21, 26 e 28 de setembro.

Interessante observar que o prazo limite para filiação ou troca de partido com vistas às eleições de 2014 é o dia 5 de outubro. Assim, se o PSDB realmente quiser disputar a eleição presidencial com Aécio Neves, e não com José Serra, terá de privilegiar a aparição de Aécio nesses programas. Seria uma forma de apresentar seu nome ao eleitorado.

Pelo seu lado, se José Serra perceber que não terá chance no PSDB, terá de decidir antes desse prazo limite em que novo partido se filiará. Se for para o PPS com o objetivo de usar o tempo de TV do partido para aumentar sua intenção de voto nas pesquisas, seria interessante que se filiasse antes do dia 14 de setembro. Essa é a data em que começarão a ser veiculadas as inserções do PPS no rádio e na TV. Outras inserções acontecerão nos dias 17, 19 e 24 de setembro. No dia 26 do mesmo mês será veiculado o programa em cadeia nacional com duração de 10 minutos.

Vale destacar que em um almoço realizado na quinta-feira passada (15), em São Paulo, com o deputado federal Arnaldo Jardim (PPS-SP) e o secretário nacional do PPS, Rubens Bueno, José Serra recebeu o pedido para que sua decisão sobre a migração ou não para o PPS seja tomada "o quanto antes". Ao que tudo indica, o pedido foi feito para que a legenda utilize seu tempo de TV para colocar Serra em evidência como possível presidenciável da legenda em 2014.

Outra opção para José Serra é filiar-se ao PSD. O partido, de acordo com a programação do TSE, terá um programa nacional de 10 minutos no dia 17 de outubro. Porém, a legenda não contará com as inserções. Portanto, se mudar para o PSD, Serra terá 20 minutos a menos de exposição que seus demais concorrentes. Vale ressaltar, contudo, que a chance de Serra ir para o PSD é pequena. O partido tem hoje o Ministério das Micro e Pequenas Empresas e dificilmente abriria mão da pasta para abrigar um dos principais adversários do governo petista.

Outubro será o mês de Eduardo Campos, governador de Pernambuco e presidente do PSB. O programa do partido em cadeia nacional de rádio e TV será veiculado no dia 10 desse mês e as inserções serão nos dias 1o, 3, 5 e 8.

A aparição do PT está diluída entre os meses de outubro, novembro e dezembro. O programa de 10 minutos da legenda irá ao ar no dia 24 de outubro. Além disso, estão programadas inserções de cinco minutos em 9 de novembro e nos dias 10, 12 e 14 de dezembro.

O PT usará seu tempo para reforçar os laços entre Dilma e Lula. É bom lembrar que, de acordo com a última pesquisa Datafolha (7 a 9 de julho), Lula era o único candidato capaz de vencer as eleições já no primeiro turno. De acordo com o instituto, ele teria 51% das intenções de voto. O PT quer usar o prestígio do ex-presidente para recuperar os votos perdidos por Dilma.

Com as inserções, Aécio Campos José Serra e Eduardo Campos esperam melhorar suas posições nas pesquisas. Dilma espera recuperar o espaço perdido. Na última pesquisa Datafolha, Dilma aparece com 35% das intenções de voto. Marina aparece com 26%, Aécio com 13% e Campos com 8%. Serra tem entre 9% e 15%, dependendo do cenário.