10 de março, 2016 - Belém

Viva as mulheres!


Todo dia 8 comemoramos o Dia Internacional da Mulher, data advinda da morte de 130 tecelãs que reivindicavam melhores direitos de trabalho em 1857 no norte de Nova Iorque. De lá para cá muita coisa mudou e muita coisa permanece igualmente ruim no tangente ao mercado de trabalho para as meninas.

A imprensa, em sua maioria, sempre usa a técnica da polêmica e do enfrentamento para chamar atenção de muitos leitores e espectadores e dessa forma é sempre comum ler, ver ou ouvir que a mulher ganha x vezes menos do que o homem e isso é reverberado por tantos como forma de bandeira e de possibilidade de luta, mas será que esse é o índice para avaliarmos o sucesso das mulheres?

Em uma empresa brasileira típica, apenas 17% dos cargos de gestão são ocupados por mulheres. Isso é muito pouco, levando em consideração que as mulheres ocupam cerca de 43% dos cargos de trabalho e respondem por 63% dos diplomas universitários no país, entretanto, segundo a consultoria McKinsey, apenas 18% das mulheres pensam em ser presidentes das suas empresas ante 36% dos homens, pois elas claramente não percebem como vantagem ser a principal executiva e deixar de lado projetos como filhos e vida pessoal. Resumindo: a mulher faz uma escolha, que para alguns é sábia para outros covarde, de simplesmente ter em suas mãos o controle da sua vida e não ser apenas escrava da carreira.

Quando entramos nessa parte da vida pessoal parece piegas lembrar que muitas mulheres podem e querem ter filhos e isso irá ocupar grande parte de suas vidas, mesmo que cerca de 14% das mulheres não queiram ter filhos e esse índice só aumenta e, segundo estudos, deve chegar em 50 anos em 25% da população, ou seja, de cada 4 mulheres 1 não será mãe por escolha. Se somarmos aos 20% que têm problemas em engravidar, quase metade da população feminina mundial não irá ter filhos, resultando num envelhecimento enorme da população e creiam: se hoje existem leis proibindo de ter mais de 1 filho, em poucos anos teremos enormes leis e programas incentivando a reprodução. Muitos países da Europa já têm isso em pleno funcionamento e mesmo assim com poucos resultados, ou seja, novamente as mulheres estão sendo decisivas pois tiveram escolha e vão levar sua decisão a pleno termo.

Vejam que quando falamos de carreira e de filhos, as meninas que realmente são super poderosas estão sabendo o que fazem e estão fazendo o que querem, mas a carga decisória em cima delas é enorme, pois, além desses itens que já citamos, essa mulher ainda é esposa, amiga e ser ela mesma, esse mesma pessoa tem que ter um filho, dois ou mais, aí nasce, amamenta, cuida do filho, do pai (quando este resolve ser pai) e aí ainda tem que ter muitas outras tarefas. Simplesmente é enlouquecedor para qualquer pessoa, inclusive para elas, mesmo assim a população mundial cresce.

Já pensou se a população mundial precisasse de um homem para aumentar de tamanho? Ainda não estava nem em 3 bilhões de pessoas sem sombra de dúvidas pela postura egoísta e sem noção da maioria dos homens.

E vamos combinar: a capacidade feminina de ser atenta aos detalhes é enorme, além da luta incansável contra e a favor do que ela acredita, então, realmente é um ser especial e nada frágil como se falava, até porque, além de tudo, a mulher sabe se cuidar, pois como costumo dizer: não existe excussão de viúvo, apenas de viúva, pois os maridos na maioria das vezes morrem antes, por falta de cuidado próprio e por excesso de estresse. E aí me perguntam: mas mulheres não são encrenqueiras? Na verdade, são!! (risos) vou apanhar por isso, mas elas colocam para fora o que sentem e pensam e com isso guardam bem menos que os homens e por isso acabam sorrindo mais e vivendo mais.

Então ganhar menos que os homens será essa a manchete? Na verdade, é, mas isso não é mais importante para todas as mulheres, elas sem dúvida têm maior comprometimento em serem felizes nesta vida, por isso, param a carreira quando querem, fazem do jeito delas e ficam muitos tentando explicar e criar enormes conflitos de gêneros, mas na verdade nos cabe apenas admirar e aplaudir essa capacidade enorme que vem crescendo muito nos últimos tempos quando pensamos em resultados práticos. Fiquem na paz e lembrem-se: pouca conversa e resultado sempre dá certo!