15 de maio, 2015 - Belém

Moeda Digital: Bitcoin e a Virtualidade Monetária do Futuro


Neste novo cenário digital, encaramos uma nova realidade de até mesmo o dinheiro se tornar digital e poder ser carregado via celular, sem a conectividade de um banco ou um agente monetário conhecido. Difícil de compreender e explicar, o Bitcoin entrou na realidade desta nova era como um serviço que carrega um produto. Compras, vendas e acessos a mercados online via bitcoin é uma proposta que foi criada em 2009, onde, entretanto, começa atualmente a se estabilizar e a construir novos adeptos para disseminar e utilizar a moeda. Nisto, fica a dúvida: Será isto viável? Seguro? Prático? Útil? E como posso usar mais efetivamente esta moeda?

Pagamento Virtual e Credibilidade Internacional

O mercado bitcoin por mais que exista a 6 anos, começa em 2015 a ficar mais conhecido e interessante para a maioria de futuros usuários. A proposta é única, inovadora, diferenciada, mas, complexa a ponto de dificultar o acesso de novos usuários, principalmente os menos tecnológicos pela falta de segurança e confiabilidade no sistema. Existe uma troca de valores como no período arcaico em que não existia dinheiro e a troca de bens prevalecia, porém esta troca de bitcoins pode ser inicialmente realizada via a compra monetária local de valores de bitcoins, para depois efetuar novas compras, trocas e usos.

A moeda promete uma relação de mercado com a menor taxa possível existente, já que não existe um órgão bancário ou governamental por trás desta proposta, mas apenas trocas de valores fixos pré-determinados para mensurar o custo de qualquer produto ou serviço de forma única internacional, logo, os câmbios e perdas nas viagens, trocas internacionais e trocas de moedas, não mais existirão, pois existirá uma moeda única internacional eletrônica.

O desconhecimento do bitcoin e principalmente do formato tecnológico envolvido o qual é bastante complexo, prejudica sua disseminação e garantia de difusão. Na teoria de Rogers sobre a Difusão da Inovação, publicada em seu livro do mesmo título em 2003 (5ª edição), um dos fatores críticos da garantia da difusão da inovação ou da velocidade desta difusão, é a facilidade com que esta nova tecnologia consegue ser compreendida e difundida, algo que neste contexto prejudica imensamente o processo de adoção do produto.

Para um produto que já existe a cerca de 6 anos, sua usabilidade ainda é muito pequena, talvez por não haver um grupo mercadológico interessado capaz de 'publitizar' e garantir o mercado do bitcoin, mas o fato do ineditismo alto e falta de interesse de grupos maiores que poderão perder muito dinheiro neste processo, levando assim a deixar o produto na obscuridade, garante que este ainda seja hoje em dia, uma inovação, algo incrível para um dispositivo tecnológico com uma idade avançada como o bitcoin. Uma grande diferença do sistema é o fato de não precisar de um banco, ou seja, o usuário é o depositante e/ou depositário simultaneamente. Este usuário do bitcoin pode comprar o bitcoin pagando em reais para obter uma quantia de bitcoins ou apenas estar inscrito no sistema digital (software de código fonte aberto) e receber pagamentos relacionados com seus serviços ou produtos em forma de bitcoin que depois ele pode utilizar como pagamento em outros sistemas.

O processo do bitcoin em suma, não possui o terceiro como no caso do PayPal por exemplo que é um sistema de pagamento via internet, que entretanto utiliza o cartão de crédito como terceirizado para garantir a efetivação do consumo. Os usuários realizam a transição entre si diretamente quando estes possuem valores de bitcoins para efetuar ações de mercado. No link colocado no youtube, uma reportagem em Inglês explica um pouco mais sobre a utilidade e sobre as oportunidades que são possuir o bitcoin como uma lógica de mercado para certos grupos de trabalho.

Uma razão real deste pesquisador aqui presente, é que não consegue-se ter dados suficientes para afirmar se é realmente seguro, bem utilizado e útil, mas que a sociedade deve estar pronta para novas etapas e buscando mais informações para se adaptar caso o caminho esteja claro. Não devemos estar por fora das inovações de mercado, pois a velocidade com que perdemos etapas e podemos estar atrasando nosso desenvolvimento é devido à falta de atualização e inovação pessoal.