06 de agosto, 2014 - Belém

Tabu persegue o Papão em Marabá


Foto: Arquivo O Liberal

Tabu persegue o Papão em Marabá

Em abril de 2008, o Paysandu obteve sua última vitória em Marabá, sobre o Águia: 2 x 0, gols de Luiz Mário e Samuel. Nos últimos seis anos, foram 13 jogos entre os dois clubes em Marabá, com oito vitórias do Azulão e cinco empates. No mesmo período, porém, o Papão também tem seu tabu. Recebeu o Águia em 15 jogos, em Belém e Castanhal, venceu 12 e empatou três.

Pela Série C, o Paysandu jamais ganhou do Águia como visitante, nem em Marabá, nem em Parauapebas. Esse tabu aguiano volta a ser lembrado, às vésperas de mais um duelo no “Zinho Oliveira”, agora com ambos ameaçados por rebaixamento. Isso tempera o jogo do próximo domingo, que seguramente será muito tenso e disputadíssimo. O campo acanhado, com 100 por 65 metros,  torna o jogo mais truncado e exige mais suor. Adaptado, o Águia tira tanto proveito que em nove campeonatos da Série C, 38 jogos em Marabá, teve apenas três derrotas no seu “alçapão”, para o Bacabal (3 x 2 em 2008), ABC (1 x 0 em 2010) e CRB (2 x 0 em 2014).

Leão: 75º amistoso internacional

O amistoso contra a seleção da Etiópia, domingo, no Baenão, será o 75º jogo internacional do Remo. Conforme dados levantados pelo do memorialista azulino Orlando Ruffeil, o Leão tem 44 vitórias, 20 empates e 11 derrotas nos confrontos com equipes estrangeiras. 171 gols marcados e 67 tomados. O primeiro amistoso internacional do Remo foi em 1940. Vitória por 2 x 1 sobre o Marimburg, do Suriname. O mais recente foi o empate com o River Plate do Uruguai (1 x 1) em julho de 2012, no Mangueirão. A vitória mais folgada foi em 1945, com goleada de 21 x 0 sobre um time amador francês de Marselha, que passava de navio por Belém. O jogo mais importante foi em 1968, contra o Benfica de Portugal, então campeão europeu, com Eusébio e companhia. Empate em 1 x 1, gols de Amoroso (Remo) e Torres (Benfica). Nos 75 jogos internacionais, o Leão Azul enfrentou 13 clubes do Suriname, 8 da Venezuela, 4 da Holanda, 3 da Guiana Francesa, 2 do Uruguai, 2 da França, 2 de Portugal, 1 da Iuguslávia, 1 do Paraguai, além de seleções de Bucareste/Romênia, Suriname e Caiena. A competição mais importante fora do Brasil foi o torneio de Toulon, na França, em 1994. O Remo foi vice-campeão.

Jogadores retardam votação na Câmara

O movimento nacional dos atletas profissionais de futebol, denominado Bom Senso FC, provou a eficiência de sua articulação política. Com apoio do governo, conseguiu o adiamento da votação da Lei de Responsabilidade Fiscal no Esporte, que aconteceria hoje na Câmara Federal. O projeto só será votado depois das eleições de outubro. Assim, o Bom Senso ganhou tempo para forçar a inclusão do atraso de salário como motivo de rebaixamento de clubes nas competições oficiais. Os clubes souberam da notícia quando estavam reunidos, ontem, no Rio, com CBF e Federações, tratando desse e de outros temas. Por enquanto, o projeto de lei prevê rebaixamento somente para atraso de pagamento do refinanciamento das dívidas federais dos clubes. O assunto vai aquecer os bastidores do futebol brasileiro nos próximos meses. E isso é muito bom.