12 de março, 2015 - Belém

Remo perdeu 35% do vínculo de Rony


Remo perdeu 35% do vínculo de Rony

Ao descumprir obrigações trabalhistas, ano passado, o Remo quase perdeu a totalidade do vínculo de Rony. Acabou ficando com 65%, numa complexa negociação conduzida pelo então diretor Antônio Miléo com investidores, que chegaram a ajuizar ação na Justiça do Trabalho. No acordo, desistiram. Ainda em dezembro, essa nova diretoria pagou o débito (R$ 12 mil), deu aumento de salário ao atleta e esticou o contrato, do início para o final de 2017. Vale lembrar que em 2014 o Remo perdeu outras três revelações: o zagueiro Tsunami, que está no Cruzeiro/MG, o meia Rodrigo, que foi para o Corinthians e está na Caldense/MG, e o atacante Jayme, que esteve no Fluminense/RJ, no exterior e está no São Francisco de Santarém. O zagueiro Igor João saiu e retornou. Do volante Ameixa, que voltou do Grêmio/RS, o Remo perdeu 20% dos direitos econômicos para a empresa de Fabiano Carpegianni. 

Marlon, uma expectativa ainda não correspondida

Rubens em 2000 e Luis Fernando em 2001/2003 foram os últimos a fazer sucesso na lateral esquerda do Paysandu. Nos últimos 12 anos, o clube fez dezenas de apostas mal sucedidas. Para esta temporada a investida foi no paraense Marlon, 29 anos, emprestado junto ao Vasco, credenciado pelo que fez nos últimos sete anos, no Remo (25 gols, de 2008 a 2011) Novo Hamburgo/RS (6 gols), Criciúma/SC (10 gols) e Vasco/RJ (4 gols). Pelo Papão, fez um gol, no empate com o Santos/AP (1 x 1) em Macapá. Mas a expectativa dos bicolores ainda não foi correspondida. Marlon explica o mau começo por um trabalho equivocado feito com ele na pré-temporada, que o deixou em defasagem de potência muscular, agravada pelos gramados da região (grama alta e terreno fofo), diferentes dos campos em que vinha jogando no sul e sudeste. Pois bem! Todo o time vinha tendo dificuldades semelhantes no rendimento físico, mas está reagindo bem. Está na hora de Marlon desabrochar seu verdadeiro futebol, para não ser só mais um nas estatísticas pós Rubens e Luis Fernando. 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!