12 de setembro, 2014 - Belém

Remo, 5º time mais disciplinado do país


Remo, 5º time mais disciplinado do país

Dos 101 times das quatro séries nacionais, apenas 13 ainda não tiveram nenhum jogador expulso. Um deles é o Remo, o quinto mais disciplinado do país. O Leão tem 14 cartões amarelos em seis jogos, mesmos números do Vitória da Conquista/BA. Abaixo estão o Penapolense/SP com 13 amarelos, Pelotas e Globo/RN com 12 (dois por jogo) e a Chapecoense/SC, que tem 38 amarelos em 19 jogos, média de dois por jogo. Os outros times que ainda não tiveram expulsão alguma são: Atlético Mineiro, Goiás, ASA, Atlético e Rio Branco do Acre, Brasil/RS e Anapolina.

Em 14 rodadas da Série C, o Paysandu tem cinco cartões vermelhos e 40 amarelos, e o Águia tem três vermelhos e 35 amarelos. Esses números têm relevância porque os cartões fazem parte dos critérios de desempate nas quatro séries, após número de vitórias, saldo de gols, número de gols pró, confronto direto (180 minutos).

Estatísticas acusam igualdade em Fortaleza

Dos 23 jogos já disputados por Paysandu e Fortaleza pelo Campeonato Brasileiro, desde 1975, 12 foram em Belém e 11 na capital cearense. O histórico acusa equilíbrio, com 9 vitórias do Papão, 8 do Fortaleza e 6 empates. Se restringirmos o histórico aos jogos disputados em território cearense, ocorre um empate: quatro vitórias de cada e três empates. É a história referendando o clube bicolor para o duelo de domingo, 19 horas, na Arena Castelão.

No atual campeonato, o Fortaleza tem números muito melhores. É o líder com 27 pontos (sete vitórias, seis empates e uma derrota), enquanto o Papão é o 6º colocado com 19 pontos (cinco vitórias, quatro empates e cinco derrotas). No confronto direto, em Belém, vitória do Fortaleza por 2 x 1. Mas as últimas rodadas mostram o time cearense em linha descendente, vindo de empate (1 x 1) em casa com o “lanterna” Crac, e derrota para o CRB (3 x 0) em Maceió. Já o Papão vem de vitórias sobre o Salgueiro em Belém e Botafogo em João Pessoa , ambas por 1 x 0. Esses dados mais recentes indicam um Papão mais confiante e um Fortaleza em alerta, por trajetórias semelhantes nos últimos campeonatos. 

Copa Verde, a novela da esquisitice

Diversos adiamentos, decisão em primeira instância a favor do Papão, efeito suspensivo e ontem um pedido de vista ao processo, suspendendo a votação, que estava 2 x 1 para o clube paraense. A Copa Verde virou novela jurídica da esquisitice, para não dizer ou coisa. A questão se arrasta no STJD há mais de três meses, sem ficar claro se tem tratamento técnico ou político.

O Paysandu venceu no julgamento da Comissão Disciplinar e estava vencendo no julgamento do Pleno, quando o presidente do STJD, Caio Rocha, pediu vista ao processo. O caso segue aberto a todas as possibilidades, alimentando as mais diversas compreensões. A esta altura da novela, o Tribunal está sendo mais julgado pela opinião pública do que o processo pelo Tribunal. A cada triste capítulo, como o de ontem, o STJD agrava seu estado de descrédito.