10 de março, 2015 - Belém

Prova dos nove à vista no Paysandu


Foto: Akira Onuma

Prova dos nove à vista no Paysandu

Enquanto o renomado Souza, 33 anos, se ambienta na Curuzu, o promissor Aylon, 22 anos, trata de provar que merece a camisa 9 bicolor, que este ano já foi de Leandro Cearense e de Heber Santos. O gol e a boa atuação diante do Nacional/AM deram credencial ao gaúcho Aylon para a “prova dos nove” com o carioca Souza, enquanto Leandro Cearense e Heber Santos vão lutar por nova chance. Talvez prevendo a possibilidade Aylon e Souza formarem uma dupla, e vendo Érico Júnior entrar na concorrência, Bruno Veiga tratou de se espertar. Foram providenciais para ele os dois gols marcados contra o Naça. O fato é que o Papão volta a ter esperança nos seus atacantes, já para o jogo de sábado, contra o Castanhal, na cidade modelo. Afinal, nos seis jogos anteriores o time fez 10 gols e só um foi de atacante (Leandro Cearense, contra o Gavião Kyikatejê). O ala Pikachu é o artilheiro bicolor na temporada, com quatro gols. Bruno Veiga e Carlinhos Madureira têm dois. Os demais foram de Rogerinho, Dão, Marlon, Jonathan, Dão e Leandro Cearense.

Zambrotti, o “cara” que estava despercebido

Dirigentes obtusos ainda tratam a preparação física como trabalho secundário, mesmo numa região de campos encharcados, que exigem mais força dos atletas. O Independente se diferenciou, este ano, com a orientação de Lecheva, ao contratar um preparador físico de trânsito internacional. O clube de Tucuruí trouxe Vanilton Zambrotti, o homem que fez o Paysandu “voar” na Copa Libertadores 2003 e que tem no currículo clubes como Corinthians, São Paulo e Grêmio, além de clubes do Paraguai e do Japão.

Lecheva tem seus méritos no comando do time tucuruiense. Mas o rendimento físico foi fundamental na conquista do turno e na larga vantagem construída sobre o Icasa na Copa do Brasil. Apontado por Lecheva, VaniltonZambrotti é “cara” que vinha passando despercebido neste Parazão.

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!