17 de junho, 2014 - Belém

Profissionalismo e futebol com organização: as lições da Copa


Copa e suas lições aos brasileiros

A espetacularização do futebol, com organização do evento e ações de envolvimento, é apenas a lição básica que a Copa do Mundo deixa aos brasileiros. Vale a pena ficar atento! Na Arena Pernambuco, ao final do jogo Japão x Costa do Marfim, torcedores japoneses surpreenderam recolhendo em sacolas plásticas o pouco lixo que produziram entre as cadeiras. No Japão é assim. A boa educação praticada nas ruas vai para os estádios, da mesma forma que no Brasil a má educação que está nas ruas também vai para os estádios, não só na questão do lixo, mas de todos os maus hábitos.

No Brasil, torcedores deixam tanto lixo nos estádios que chegam a gerar trabalho e renda para catadores. Isso é a expressão do atraso! O Brasil tem muito o que aprender no intercâmbio cultural da Copa para se tornar um país verdadeiramente turístico aos olhos do mundo e decente para os brasileiros.

A cada Copa, mais mulheres no futebol

Minha mulher reclama sempre que vejo futebol na TV. Pelo que ouço dos amigos, é um comportamento comum das mulheres. Na Copa, porém, elas se envolvem, querem entender o futebol, fazem observações surpreendentes. Muitas passam a gostar de futebol. Outras já são apaixonadas e sabem muito. O fato é que a Copa aumenta o público feminino do futebol a cada quatro anos, e os clubes usufruem disso, ganhando torcedoras, cuja opção geralmente é influenciada por namorado ou marido e filhos.

No Pará, a cada campeonato é maior a presença feminina, tanto na capital como no interior. No entanto, os estádios não estão adaptados a esse público, principalmente na questão dos banheiros. Na verdade, nossos estádios não têm banheiros decentes nem mesmo para os homens. Muito menos para as crianças. Um absurdo, tanto pela falta de cuidado de quem responde (?) pelos estádios, como pela absoluta falta de educação de muitos dos usuários. Esse fato vergonhoso é mais um parâmetro da distância de competências entre a realidade regional e o padrão Fifa de eventos.

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!