14 de maio, 2014 - Belém

Paysandu x Sport: o que o confronto tem por baixo dos panos


Sport em suspeição, Paysandu em missão

O que está por trás da opção do Sport Recife por um time misto para enfrentar o Paysandu na Copa do Brasil? Trata-se mesmo de artimanha para sair da Copa do Brasil e entrar na Copa Sul-Americana? Essa migração seria automática no caso de eliminação na terceira fase. Portanto, mesmo passando pelo Papão, o Sport ainda poderia disputar a próxima fase com vaga reservada na competição continental. Também vale lembrar que na primeira fase o clube pernambucano utilizou o time B, que vem a Belém, e eliminou o Brasília logo no jogo de ida (3 x 1) na capital federal.

Cabe ao Paysandu cumprir sua missão, independente da suspeição do adversário. Caberia mais ainda à CBF dar um basta nessa possibilidade de “tramoia” que já colocou em suspeição o Coritiba e a Ponte Preta, ano passado, quando foram eliminados pelo Nacional de Manaus. Isso é desconfortável para o Papão, que pode ter os méritos colocados em dúvida caso se classifique, além de atentar contra a credibilidade do futebol brasileiro. Um embaraço que poderia ter sido evitado, não fosse a imprudência da Confederação Brasileira de Futebol.

Thiago Potiguar, um alvo fácil

Nada mais fácil para os adversários do Remo do que irritar Thiago Potiguar e leva-lo a enfrentar a arbitragem, ser advertido e até expulso. Já virou rotina. O atleta não consegue perceber quanto vem sendo alvo fácil com seu jeito impetuoso e temperamental de ser. Assim, Thiago Potiguar soma à indisciplina tática essa rebeldia que já lhe rendeu repreensões e multa no Baenão, pelos prejuízos causados ao clube.

Ao incluir Thiago Potiguar no time misto que foi a Parauapebas, Roberto Fernandes deu sinal claro ao atleta da sua perda de confiança e de espaço. No amistoso, o atleta confirmou os motivos do técnico. Por falta de discernimento, Thiago Potiguar afunda cada dia mais. É um jogador que conseguiu involuir. Chegou para o Paysandu em 2010 e virou xodó da torcida como uma peça decisiva. Aparentemente, se envaideceu e perdeu o rumo. O Remo investiu nele apesar do histórico de “bad boy” e está arcando com as conseqüências da aposta infeliz. Não é demais lembrar que o Remo abriu mão do garoto Jayme, revelação do clube, acusando-o de problemático, para ter Thiago Potiguar.

Águia aprovado nas primeiras impressões

Para um time montado na semana da estréia, que venceu com autoridade o único jogo que fez em casa (3 x 0 no Salgueiro) e mostrou-se competitivo ao visitar o Paysandu e o Fortaleza, o Águia está aprovado nas primeiras impressões nesta Série C, merecendo todos os descontos nas duas derrotas como visitante. Se conseguir manter-se na sexta posição até a suspensão do campeonato para a Copa do Mundo, o Águia já terá o que festejar. Afinal, o técnico Darío Pereira terá um mês e meio para ajustar o time e coloca-lo em condições de disputar classificação.

Domingo o Águia vai receber o Treze/PB em Marabá, onde não perdeu nenhum dos 22 jogos que fez nas quatro últimas edições da Série C. O time paraibano é o sétimo colocado, com dois empates e uma derrota no campeonato. Clebson, ex-Salgueiro, meia que ano passado fracassou no Remo, é uma das apostas do Treze para subir à Série B. Outra aposta mais recente é o experiente treinador Givanildo Oliveira.