21 de maio, 2015 - Belém

Papão ganha fôlego moral e financeiro


Papão ganha fôlego moral e financeiro

Ao vencer o ABC em Natal (2 x 1), o Paysandu garantiu R$ 560 mil de cota da CBF e a bilheteria da próxima fase da Copa do Brasil, e ainda elevou a renda do jogo de sábado contra o Ceará, ao empolgar a torcida. Tão importante quanto o fôlego financeiro para o clube é o fôlego moral proporcionado ao time e à comissão técnica. O Papão se fortaleceu emocionalmente para o objetivo urgente de se redimir na Série B, onde é o penúltimo colocado, com duas derrotas. Dado Cavalcante, que vinha sendo muito pressionado, ganhou um alívio. Uma vitória sobre o Ceará colocaria a casa em ordem, com direito a uma semana livre para treinamentos, já que o jogo seguinte será no outro sábado, 30, contra o Boa Esporte, em Varginha/MG.

O Ceará é uma das maiores forças do campeonato. O grau de dificuldade do jogo é mais uma razão para a torcida mostrar sua força no Mangueirão, empurrando o time à vitória.

Números credenciam nova dupla de ataque do Leão

Aleílson vai se apresentar ao Remo com média de 10 gols por ano na carreira. São 79 gols com oito camisas (63 no futebol paraense e 16 na rodagem por Olaria, Bahia, Noroeste e Red Bull). Só passou em branco no Flamengo. Ele deve formar dupla com Rafael Paty, autor de 53 gols no futebol paraense, desde 2011, pelo Cametá, Santa Cruz, Kyikatejê, Parauapebas e Remo. Dos outros 10 clubes que Paty defendeu, o único registro de artilharia é do Bonsucesso, onde fez 18 gols na 2ª divisão carioca de 2009. O farto é que os números credenciam a provável nova dupla de ataque do Leão Azul, para a Série D.

Vão pesar contra Aleílson a fracassada passagem pelo Paysandu, em 2013, com apenas um gol, e o fato de herdar a camisa de Bismark. O atacante cearense fez apenas três gols, mas foi muito importante para o Remo nos cinco meses de trabalho.

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!