15 de maio, 2014 - Belém

Marmelada ou valendo? O resultado é hoje à noite, no Mangueirão


Cartas marcadas ou duelo pra valer?

Seria somente na terceira fase da Copa do Brasil a obrigatoriedade do Sport Recife fazer opção entre esta competição e a Copa Sul-Americana. A CBF fez constar em regulamento que “na hipótese do clube campeão da Copa do Nordeste (Sport) vir a classificar-se para a 4ª fase da Copa do Brasil, esse clube estará automaticamente impedido de participar da Copa Sul-Americana de 2014” . O Ceará, vice-campeão do nordeste, herdaria a vaga. Se bem que o Ceará também está na Copa do Brasil, como adversário da Chapecoense. O Coritiba, adversário de Paysandu ou Sport na próxima fase, também tem vaga na copa continental, conquistada na Série A de 2013 e vai ter que optar. Essa situação tecnicamente embaraçosa e moralmente condenável foi criada quando a CBF ampliou a Copa do Brasil para 80 clubes, levando-a até 26 de novembro, simultaneamente à Copa Sul-Americana.

Três aspectos precisam ser considerados nessa história. A classificação nesta fase ainda não seria excludente para o clube pernambucano. O time reserva do Sport deu prova de força na primeira fase eliminando o Brasília logo no jogo de ida. E não cabe imaginar que o clube oriente os atletas a perder esse ou aquele jogo. A escalação dos reservas pode ser uma forma de tornar provável a eliminação, mas nunca uma garantia. Dentro desse raciocínio, o Sport B não seria uma carne assada e nem o jogo seria de cartas marcadas, como muitos preferem acreditar. Os profissionais bicolores não podem ser iludir.

Expostos na TV

O jogo Paysandu x Sport, 19h30, terá transmissão para todo o país, pelo Sportv. Essa exposição é uma oportunidade especial no mercado para jogadores sem tanta visibilidade, como é o caso dos reservas do Sport. Mais uma razão para que o Paysandu terá um adversário aguerrido. Da mesma forma, a TV eleva a motivação dos atletas bicolores e indica um jogo bem disputado. O Papão que trate de ser valente e competente na desconfortável missão. É um desconforto para o Papão porque na vitória poderá ter os méritos diminuídos, e numa eventual derrota pagará o preço de não dar conta do time “genérico” do Sport. Missão ingrata!

Aos poucos, Remo continua vendendo camisa 33

Eduardo Ramos fracassou na missão de impulsionar o time e as vendas da camisa 33, que teve o uso suspenso. Assim mesmo, o clube continua vendendo o seu melhor produto de marketing, pouco a pouco. A unidade custa R$ 150,00. Uma fonte me diz que restam cerca de 20% do lote de seis mil unidades. O planeja nova cartada para recolocar a camisa 33 em campo na Série D. Uma das possibilidades é torná-la rotativa, como tradução de mérito, usada por quem estiver se destacando.

Este mês o tabu de 33 jogos aplicado ao Paysandu está completando 27 anos. O 33o Re-Pa da série foi no dia 7 de maio de 1997. O benemérito Orlando Ruffeil, proponente da camisa 33 como projeto de marketing, propõe agora que o Remo faça uma comemoração na próxima semana, às vésperas do próximo Re-Pa, que será disputado na quinta-feira. A ideia é homenagear heróis do tabu e alavancar a venda de camisas 33 e de ingressos para o primeiro jogo da decisão do turno, que pode valer o título estadual para o Leão Azul. Ainda hoje pode sair a confirmação do evento.

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!