20 de março, 2015 - Belém

Losango, a aposta tática de Cavalcanti e Teodoro


Foto: Tarso Sarraf

Losango, a aposta tática de Cavalcanti e Teodoro

Quando dirigiu o Remo, em 2001, Cuca implantou o losango na estrutura tática do time, e em algumas ocasiões mostrou a este colunista, na prancheta, como o sistema funcionaria: um volante central e dois volantes pelos lados, ambos com função ofensiva, além de um meia articulador. É o que fazem agora Dado Cavalcanti no Papão e Zé Teodoro no Leão. No losango bicolor, Augusto Recife é a peça mais produtiva na função ofensiva, pelo lado direito, inclusive dividindo as atenções com Pikachu. Jonathan faz o trabalho pelo outro lado, enquanto Radamés faz a contenção e Carlinhos a articulação. No losando azulino, que parece mais difícil de emplacar, Zé Teodoro investe em Alex Ruan como volante canhoto, enquanto Jadilson assume a lateral. Alberto é o volante central e Dadá trabalha pelo lado direito, enquanto Eduardo Ramos faz a articulação. Para maior consistência, no jogo de Cametá, Zé Teodoro escalou Bismarki e Val Barreto no ataque, ambos trabalhando efetivamente na primeira marcação. A contusão de Alex Ruan causa um grande embaraço, por não haver no elenco azulino outra opção com características semelhantes. A lesão de Bismarki é um agravante, já que ambos devem ficar fora do jogo de amanhã, contra o Princesa do Solimões. E assim Zé Teodoro vai tentar fazer omelete com os ovos de codorna. Como ele próprio diz, “um time que se defende como time pequeno e ataca com que tem”. 

Papão mais dinâmico, Leão mais aguerrido

O Paysandu emprega o losango tático jogando compacto e com intensidade. O Remo tem um ritmo menor, até pelos muitos erros de passe, mas é aguerrido. Os dois times podem se tornar muito competitivos à medida que forem aprimorados nessa forma de jogar. O Papão precisa melhorar o condicionamento físico para ter regularidade. O time bicolor tem oscilado muito o rendimento. O Leão dá sinais claros de melhora física, tanto que vem fazendo resultados no segundo tempo, mesmo com um futebol confuso e às vezes até irritante.

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!