05 de fevereiro, 2015 - Belém

Hoje, a esperança contra a incógnita


Foto: Akira Onuma

Hoje, a esperança contra a incógnita

O Paysandu elevou a esperança da torcida com a goleada sobre o Kyikatejê. O Tapajós é a maior incógnita do campeonato, em sua primeira temporada na elite. Hoje, o “bebê” santareno recebe o “vovô” bicolor numa noite que promete ser especial em Santarém. Justamente pelo ambiente festivo da estreia, o Tapajós deverá ser engrandecido pelo entusiasmo e ser um difícil adversário para o Papão. O jogo promete!

Ao Paysandu, cabe confirmar a ótima impressão causada no segundo tempo da estreia, quando construiu a goleada sobre o Kyikatejê (4 x 0). A confirmação do volante Augusto Recife, que viajou como dúvida e chegou a ser dado como vetado, por causa de uma amigdalite, garante a articulação do time bicolor a partir dos seus passes precisos e objetivos. A entrada de Bruno Veiga enriquece todo o sistema ofensivo. É peça muito apropriada para um time que pretende se impor pela movimentação tática.

No Tapajós, o técnico Vitor Hugo tem insistido muito em combatividade na marcação e velocidade nos contra-ataques. Para isso, terá os velocistas Moisés e Adriano Miranda no ataque.

Tapajós, heróica ascensão

Fundado em 2012, o Tapajós é o caçula do futebol paraense e um dos “bebês” entre mais de 800 clubes de futebol do país habilitados para competições profissionais. O “Boto” só ativou o futebol em 2014 e já está na elite regional. Hoje faz a sua estréia contra o centenário Paysandu, em Santarém.

A ascensão foi heróica. Para disputar a 2ª divisão, sem suporte financeiro, o time alviverde passou perrengues de toda ordem, nas viagens, hospedagens e treinamentos. Eliminado, com quatro pontos em três jogos, o Tapajós ganhou de presente, na seletiva seguinte, a vaga do Santa Cruz de Cuiarana, que desistiu. Entrou como herdeiro e saiu como vice-campeão, promovido à elite. Perdeu o técnico Fran Costa e importantes jogadores, tendo que contratar para recompor a comissão técnica e o elenco. O Tapajós 2015 tem o técnico Vitor Hugo e jogadores como Thiago Costa, Jader, Adriano Miranda, Genison. O principal nome do elenco continua sendo o atacante Moisés, remanescente de 2014, artilheiro e principal jogador do Parazão 2010, pelo Paysandu. Debutante, sem torcida, o Tapajós é um time cuja pressão se limita à missão de fechar a campanha entre os seis primeiros do campeonato, para manter-se na elite. O time santareno é quase o mesmo das duas competições de acesso ao campeonato. Está escalado com Jader; Felipinho, Helder, Júnior, Negueba; Thiago Costa, Patrick, Wendel, Ramon; Moisés e Adriano Miranda.

Nova camisa do Remo com 15 mil pré-vendas

A Umbro, multinacional que veste o Leão Azul, diz já ter 15 mil pré-vendas das novas camisas remistas. A apresentação oficial do novo modelo está marcada para hoje, 19h30, na sede azulina, como parte das comemorações do 110º aniversário do clube.

Se a Puma festejou o Paysandu pela venda de 52 mil camisas em 2014, a Umbro não ficou menos empolgada com a venda de camisas do Remo, principalmente a série especial da Camisa 33. Esse sucesso comercial das camisas traduz bem um potencial de mercado mal explorado nos dois clubes. Não por acaso, Leão e Papão são atendidos por duas das maiores grifes de material esportivo do mundo, que não admitem perdê-los.

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!