23 de abril, 2014 - Belém

As contradições do futebol experimentadas por Remo e Paysandu


Papão experimenta números contraditórios do Leão

Desde 2009, quando entrou no calvário da disputa por acesso à Série D, o Remo tem números contraditórios. Disputou 267 jogos, venceu 150, empatou 78 e perdeu 39. Apesar do aproveitamento de 65,9%, acumulou frustrações. O máximo que conseguiu foi conquistar dois de onze turnos estaduais. Perdeu os jogos-chaves e por isso continua como aspirante à 4ª divisão nacional.

Os números contraditórios do Leão foram experimentados pelo Papão, até agora, na temporada. 65,4%de aproveitamento em 28 jogos, com 15 vitórias, 10 empates e apenas 3 derrotas. Chegou a construir uma invencibilidade de 21 jogos, ao longo de 81 dias, mas perdeu o jogo-chave. O Papão está com números excelentes na temporada, mas sem conquista alguma. Passa a ter o 2º turno estadual próxima possibilidade de conquista, como forma de disputar o título estadual no ano do seu centenário.

Essa abordagem para números contraditórios do Remo no período “fora de série” e a frustrante derrota do Paysandu em Brasília, quebrando a longa invencibilidade, nasceu de uma observação de Carlos Alberto Parreira sobre o que foi a vida da Seleção Brasileira entre as Copas de 1974 e 1990. No geral, números que confirmavam a força no futebol mundial. Mas, nos jogos-chaves, derrotas que custaram a eliminações extremamente frustrantes.

O problemático que também é solucionático

Aos 18 anos, Leandro Carvalho é um atacante que já fez quatro gols pelo Papão na temporada: dois no campeonato estadual, um na Copa do Brasil e um na Copa Verde, como também já foi punido por indisciplina. Problemático e solucionático ao mesmo tempo, é um menino que precisa ser educado na sua rebeldia para ter futuro na profissão. De imediato, deve emplacar como principal revelação paraense de 2014.

Pelo potencial e também pelo temperamento, Leandro Carvalho faz lembrar Albertinho, que provavelmente teria feito sucesso se não fosse tão impulsivo nas atitudes. O jeito marrento reflete uma personalidade forte de quem encara os desafios e as adversidades com coragem e naturalidade, como menino de Icoaraci mostrou na decisão da Copa Verde, inclusive na decisão por pênaltis. Leandro Carvalho é uma pedra bruta, que talvez não chegue a se tornar brilhante, mas terá muito valor se tiver um bom burilamento.

Cobranças veementes, sem demissões

Na volta ao trabalho, hoje, jogadores do Remo vão ouvir cobranças veementes e um alerta do presidente Zeca Pirão sobre as finanças do clube, mostrando que se o clube ficar fora da decisão do turno, poderá não haver dinheiro para quitação da folha salarial de abril dentro do prazo. Assim, o presidente pretende despertar compromisso maior com a causa do clube. As cobranças e o alerta substituem a ideia de demissões, que chegou a ser avaliada no clube, tal a irritação com a apatia do time na derrota para o Independente em Tucuruí.

A opção pelo Baenão para o jogo do dia 1º de maio, quinta-feira, mostra que o Remo aposta na pressão para vencer o Independente por três gols de diferença, única forma de ir à decisão do turno. A pressão da torcida pode ajudar sim, mas o Leão só terá possibilidade de classificação se finalmente o time resolver mostrar o futebol que ficou devendo em 26 jogos na temporada.

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!