19 de dezembro, 2014 - Belém

Aglutinar é a missão mais urgente de Zé Teodoro


Aglutinar é a missão mais urgente de Zé Teodoro

Como a coluna assegurou, embora o Remo não confirmasse, o experiente técnico Zé Teodoro assume o comando do futebol azulino. Rodado no nordeste e no centro oeste, ele já viveu as adversidades que terá no Leão Azul. E esse é um aspecto fundamental para credenciá-lo a um bom trabalho no Baenão, desde que não o atrapalhem. A larga vivência de Zé Teodoro em clubes de massa, gerenciando crises, já deve ter permitido ao treinador uma leitura das condições de trabalho e de quanto precisará usar sua liderança. Uma experiência assim ele viveu por dois anos no Santa Cruz/PE. Seguramente, Zé Teodoro terá que exercer uma liderança 360 graus no Baenão, comandando quem estiver abaixo e influenciando as decisões de quem estiver acima da sua posição hierárquica. Mais que isso, terá que fazer do Leão Azul um time vencedor. Aglutinando as forças do clube fora de campo e potencializando as forças azulinas no gramado, Zé Teodoro estará fadado ao sucesso que se espera dele. Missão pra lá de espinhosa!  

Ufa. O ano termina com apenas um mando perdido

A punição do Remo, com a perda de um mando de jogo, a cumprir na próxima Série D, é a única do futebol paraense no fechamento desta temporada. É uma evolução! Este ano, o Leão cumpriu punição por má conduta de torcedores fazendo quatro jogos da Série D em Bragança. Pelo mesmo motivo, o Paysandu fez quatro jogos com portões fechados e um com acesso de público em Castanhal. Recorde nos dois clubes, que acumulam 26 punições do STJD. 14 aplicadas ao Leão e 12 ao Papão em anos de vigência do Estatuto do Torcedor. Coincidência ou não, os episódios de vandalismo e violência de torcedores diminuíram nos estádios do Pará nos últimos dois anos, com a ativação do Juizado Especial do Torcedor, que puniu mais de 150 infratores, aplicando o Estatuto do Torcedor. A contribuição do Judiciário vem sendo preciosa. Só não foi melhor, até agora, porque se restringiu a jogos disputados no Mangueirão, por falta de condições de trabalho nos demais estádios. Para 2015, o Paysandu está prometendo disponibilizar uma sala na Curuzu para o Juizado do Torcedor, como também para as Polícias civil e militar. Fica a esperança de que o Remo, também sob nova gestão, siga o exemplo do rival. Afinal, os clubes são diretamente beneficiados pelo trabalho do Juizado, que leva junto o Ministério Público, a Defensoria Pública e a OAB.

No Ranking da Placar, Papão é o 16º e o Leão é o 19º do país

A Revista Placar mantém o antigo sistema de ranking, contabilizando pontos ao longo das quatro décadas do Campeonato Brasileiro. Assim, Paysandu (16º) e Remo (19º) figuram entre os 20 principais clubes do país em desempenho no futebol. O ranking da consagrada Revista é simbólico. Um parâmetro meramente moral. Eis o top 20 da Placar: 1° São Paulo; 2° Santos; 3° Flamengo; 4° Corinthians; 

5° Cruzeiro; 6° Palmeiras; 7° Internacional; 8° Grêmio; 9° Vasco; 10° Fluminense; 11° Atlético-MG; 12° Bahia; 13° Botafogo; 14° Sport   Recife; 15° Coritiba; 16° Paysandu; 17° Vitória; 18° Ceará; 19° Remo; 20° Atlético-PR.

No ranking oficial da CBF o sistema mudou em 2012, passando a contabilizar pontos somente dos últimos cinco anos. Antes da reforma, o Remo era 27º e o Paysandu 31º. Na recente atualização, o Leão Azul apareceu na 67ª e o Papão na 34ª posição. O Águia é 55º, Paragominas 128º, Independente 146º, São Raimundo 150º e o Cametá 179º. 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!