17 de julho, 2013 - Belém

É hoje! Paysandu x Atlético Parananense, um duelo fadado a emoções


Papão x Furacão, um duelo fadado a emoções
         
Em geral, o peso extra do gol do visitante para efeito de desempate já acentua as emoções na Copa do Brasil. O duelo Paysandu x Atlético Paranaense até dispensaria esse tempero do regulamento. Pela instabilidade das duas equipes e pelo que o jogo pode significar como autoafirmação para qualquer dos dois, os indicativos são muito bons para quem espera um jogo emocionante. O Papão deve jogar no limite da ousadia e da precaução. Afinal, terá que ditar o ritmo impondo-se como dono da casa, empurrado pela torcida, e ao mesmo ser competente na marcação e na composição do sistema defensivo diante dos contra-ataques rubro-negros. O Atlético, apesar da fase de insegurança que está atravessando, também vai tomar iniciativas. É um time em dívida moral com a torcida e que investe neste jogo para a reabilitação.
        
Penúltimo colocado na Série A, o Atlético Paranaense busca a todo custo uma virada. Hoje tem dois alentos. A motivação causada pela estreia do técnico Vagner Mancini e a boa trajetória nesta Copa do Brasil. Em três jogos, três vitórias. Derrotou o  Brasil/RS em Pelotas (1 x 0) e em Curitiba (2 x 0) e eliminou o América/RN em Natal (6 x 2). Isso mostra quanto o Furacão merece respeito. Mas, em casa, diante da Fiel, o Papão tem que se impor com organização e com superação, num jogo promissor que só será visto por quem for ao Mangueirão, já que não haverá transmissão ao vivo pela televisão.      
 
 
Transtornos serão inevitáveis
        
O horário do jogo (19h30) somado ao estreitamento de vias por causa de obras tornam inevitáveis os transtornos no trânsito. Chegar cedo ao Mangueirão, hoje, é uma necessidade. O fluxo de torcedores vai agravar as dificuldades que já são comuns no trânsito, principalmente na região do Entrocamento, no acesso da Almirante Barroso para a Augusto Montenegro.  
        
O Paysandu espera ter público em torno de 25 mil pagantes. O jogo já tinha apelo para tanto. Passou a ter mais ainda com a confirmação de que o jogo não será mais transmitido pelo Sportv ou por qualquer outro canal de televisão.
 
 
Futebol com Justiça
        
Nos últimos 25 anos, cerca de 160 pessoas morreram em conflitos de “torcidas organizadas”. 70% das mortes foram a tiro. Os outros 30% com faca, bomba, pancadas, atropelamento. Até o primeiro Re-Pa de 2013, Belém viveu o pânico dos confrontos nas ruas. Naquele domingo, além de baderna geral houve um assassinato. Isso começou a mudar no Re-Pa seguinte, dia 24 de abril, quando o Tribunal de Justiça do Estado enviou o Juizado Especial ao Mangueirão e apenou imediatamente os infratores. Em cinco jogos, foram 52 procedimentos do Juizado Itinerante por crimes como vandalismo e atividade de cambista. A penalidade mais aplicada aos infratores foi a proibição para frequentar estádios de futebol no Pará por um determinado período, com a obrigatoriedade de se apresentar à Polícia sempre que seu clube jogar e prestar serviço à comunidade. É o que vai acontecer hoje aos bicolores punidos. Em nome da segurança, o Juizado Itinerante estará hoje no Mangueirão com o Ministério Público e a Defensoria Pública para julgamento imediato de quem for preso. A ação do Judiciário no futebol tem à frente a coordenadora dos Juizados Especiais, desembargadora Diracy Nunes Alves, auxiliada pelo juiz Cristiano Arantes e Silva.