11 de julho, 2013 - Belém

Paysandu é o terceiro time mais vazado da Série B


Papão é o terceiro mais vazado da Série B
        
Em oito jogos na Série B, o Paysandu já tomou 12 gols. Média de 1,5 por jogo. Somente o Oeste (14) e o Guaratinguetá (17) foram mais vazados que o Papão, até agora, no campeonato. Os números tornam-se ainda mais relevantes quando observamos que o Papão tomou 48% dos gols nos dois últimos jogos, em casa, com a dupla Fábio Sanches e Jean, em duas pífias atuações de Jean, que saiu de campo vaiado pela torcida ao ser substituído por Raul, quando o time bicolor perdia por 2 x 0 para o São Caetano. Com Raul e Diego Bispo, também contestados pela torcida, o Paysandu tomou 34 gols em 31 jogos na temporada. Média de 1,09 por jogo.
        
Independente dos dados estatísticos, é flagrante a vulnerabilidade defensiva do Papão. Depois da rotatividade de goleiros e de volantes, a dupla de zaga vira alvo principal das críticas. Mas a questão é maior e só será superada com a correção do serviço de marcação como um todo. Como compensação, a produção ofensiva vai resolvendo. Com 12 gols, a artilharia bicolor só perde para Chapecoense (18), Joinville (16), Figueirense (14) e América Mineiro (13). Porém, o Papão tem um jogo a mais. Em toda a temporada, o Paysandu tem 72 gols em 33 jogos no Parazão, Copa do Brasil e Série B.   
 
 
Nicácio, Careca ou os dois?
        
Uma semana depois de Careca, Marcelo Nicácio viveu sua noite de herói bicolor. E agora? Quem merece ser titular? Ou será que cabem os dois no time? O debate tornou-se inevitável entre os torcedores e até na imprensa, valorizado pelas boas atuações de Iarley, que finalmente começa a responder ao arrojado investimento do clube na sua contratação.
        
O que aconteceu diante do São Caetano, com Iarley, Careca e Nicácio juntos foi uma cartada circunstancial de Givanildo Oliveira. Só deve se repetir em circunstâncias semelhantes de ousadia, para não agravar a deficiência da primeira marcação. A tendência natural é que Nicácio e Careca disputem a camisa 9 e só joguem juntos eventualmente. Na próxima quarta-feira, contra o Atlético/PR, camisa 9 garantida para Careca, visto que Nicácio já jogou nesta Copa do Brasil pelo Vitória/BA.
                         
 
Punição ao Remo seria legítima ou ilegítima?
        
Amanhã, no final da manhã, o julgamento do Remo pelo STJD em primeira instância. O clube paraense foi denunciado pela procuradoria como beneficiário da ação do torcedor Wendel Figueiredo na Justiça Comum contra a CBF e o Genus. Uma possível punição do Leão Azul, com exclusão de competições oficiais pelo período de dois anos, seria legítima ou ilegítima? À luz do Código Brasileiro de Justiça Desortiva, sim. Seria legítima pelo fato de a ação na Justiça Comum não ter sido antecedida do acionamento da Justiça Desportiva em todas as suas instâncias. A ação é de um torcedor, mas para benefício do clube. A Constituição Federal, no entanto, se sobrepõe e diz que ninguém (cidadão ou instituição) pode ser punido por acionar a Justiça em defesa dos seus direitos. Recebi telefonema de um desembargador (torcedor do Paysandu) expressando essa posição com indignação. Nessa 'queda de braço', a Justiça Desportiva já foi desmoralizada pelo Treze, pela Justiça (Paraíba) e até pelo STF, que costurou um acordo indecente entre CBF, STJD, Treze e Rio Branco, no embalo de outro acordo “político” feito em 2012 pelo próprio STJD com o Rio Branco/AC.