22 de agosto, 2012 - Belém

Paysandu e Remo terão adversários diferentes no final de semana


Cantor contra o Papão e vigilante contra o Leão
       
André Neles, novo atacante do Icasa, é cantor de música gospel. Deve reestrear no time cearense em Belém contra o Paysandu. André, que já lançou quatro CDs (o mais recente em maio, com participação ilustre de Ludmila Ferber, famosa entre os evangélicos), está de volta ao Icasa, onde teve destaque em 2010. Tem no currículo também Uberlândia, América/RN, Oeste/SP, Figueirense, Botafogo/SP, Fortaleza, Ipatinga, Atlético Mineiro e Vitória/BA.
       
Cabixi, 29 anos, atacante do Vilhena, é vigilante de escola no interior de Rondônia. Se divide entre os dois trabalhos. Quanto não consegue treinar com os colegas, treina isoladamente à noite. Assim mesmo é vice-artilheiro do Vilhena na Série D com três gols. É ídolo na cidade de Cabixi, cujo nome projeta através do futebol.
        
Pois bem! O cantor André Neles o vigilante Cabixi serão adversários de Papão e Leão, personagens especiais em Belém no fim de semana. Em campo, os bicolores que tratem de calar o cantor e os azulinos de vigiar o vigilante.
 
 
Águia, 85% de acerto
      
Dos 20 jogadores que o Águia contratou para esta temporada (Parazão e Série C), 17 permanecem no elenco. O aproveitamento indica 85% de acerto, muito além do Remo (48 % de 43 jogadores) e Paysandu (58 % de 31 jogadores). O que explica essa diferença? O Águia tem um dirigente no comando técnico há quatro anos. João Galvão não trata com empresários. Ele avalia e conduz as negociações, em contratações sempre pontuais. No Leão e no Papão, técnicos são contratados através de empresários (Givanildo é uma exceção!) e a maioria retribui trazendo jogadores do mesmo empresário, inchando os elencos sem acrescentar qualidade. Vêm daí os fracassos em campo, o endividamento e os processos trabalhistas. Tudo isso por despreparo dos cartolas, se é que é só despreparo!
 
 
Menos dinheiro, mais organização
      
Por ser diferente na básica organização, o Águia erra muito menos, com modestos investimentos, e mantém suas campanhas numa faixa honrosa, acima do Remo e sendo hoje o adversário mais freqüente do Paysandu, em pé de igualdade.
      
Domingo, na 9ª rodada da Série C, o Águia (5º colocado) vai enfrentar o Santa Cruz (7º colocado). O time marabaense (R$ 130 mil mensais) faz melhor campanha que o time pernambucano (R$ 550 mil) mesmo custando quatro vezes menos. 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!