17 de agosto, 2012 - Belém

Ainda falta um empate para o Leão se garantir no mata-mata


Ajuste de contas: Remo ainda pode perder vaga
     
Com 13 pontos, o Remo tem classificação praticamente certa, com toda probabilidade de fechar a fase como primeiro do grupo. Mas, a rigor, ainda há um risco mínimo de ser eliminado, já que o Vilhena está com 12 pontos e pode chegar a 18, e o Atlético/AC tem 7, mas pode chegar a 16, sendo que os dois ainda vão se enfrentar. Com mais um ponto o Leão já se garante matematicamente na próxima fase. Mas o 1º lugar só poderá ser garantido na última rodada.
      
Ao contrário do Remo, que está em situação privilegiada, o Penarol depende de um 'milagre' para se classificar. O time amazonense precisa vencer o Remo em Itacoatiara e o Atlético no Acre, tendo ainda que 'secar' o Vilhena e o Atlético. Isso tudo significa que o Penarol vai jogar domingo com a corda no pescoço. Tendo que ser mais valente do que nunca, mas com os nervos à flor da pele. Cabe ao Remo saber explorar a instabilidade emocional do adversário e tirar proveito. O Penarol está endividado por empréstimos para pagamento de salários, correndo atrás de R$ 1 milhão da Coca Cola e do Bradesco, conforme promessa do governo estadual.    
         
 
Cansaço antecipado dos bicolores?
       
Pelo discurso, jogadores do Paysandu passam a impressão de estar sentindo o cansaço antes mesmo das 15 horas de viagem a Salgueiro. Mas, convenhamos, os argumentos são verdadeiros. Principalmente porque o Papão só viaja na véspera do jogo. O desgaste começa na perda de sono de hoje para amanhã, já que para viajar às 5h35 todos terão que acordar duas horas antes, no mínimo.
       
Imagino a postura de Givanildo. Na sua posição, deve entender, mas não valorizar as queixas. Ou melhor, explorar a adversidade como estímulo à superação. O Salgueiro é bom time, mais forte ainda quando joga em casa. A viagem será cansativa sim, mas não determinante para o resultado do jogo.
 
         
Lambanças no Acre
      
O Atlético/AC era líder do grupo na Série D quando o técnico Álvaro Migueis agrediu o goleiro Máximo e foi demitido. O episódio custou muito caro. Nos três jogos seguintes, o time acriano fez apenas um ponto. Está com sete, na terceira posição, ameaçadíssimo de perder a classificação que estava tão bem encaminhada.
      
A troca de técnico fez muito mal ao Atlético. Mas é muito pior o que acontece ao Rio Branco, que foi sacado da Série C pela Justiça e vai ter que disputar acesso à Serie D de 2013. O clube paga caro pela arrogância de cartolas despreparados, que em 2011 desobedeceram o Estatuto do Torcedor, enfrentaram o Ministério Público do Acre e avançaram numa briga tão tola quanto inglória. Tudo por capricho! Lição para os cartolas paraenses que trabalham nessa mesma sintonia.  

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!