31 de julho, 2012 - Belém

Muda técnico, muda time, mas a 'garapa' continua no Remo


Leão: a 'garapa' continua
        
Em toda a temporada, o Remo tomou 46 gols em 36 jogos. Absurda média de 1,27 por jogo. No primeiro turno do Parazão, sob comando de Sinomar Naves, 12 gols em 9 jogos. Média de 1,33.

O melhor período foi com Flávio Lopes no segundo turno do Parazão, quando o Leão tomou 8 gols em 11 jogos. Média de 0,7 por jogo. Das finais do Parazão à estréia na Série D, 11 gols em quatro jogos. Média de 2,75, que derrubou Flávio Lopes. Nos cinco jogos de Édson Gaúcho foram 8 gols nas redes remistas, média de 1,6 por jogo. Ou seja, a 'garapa' continua!       

A maioria dos gols tomados pelo Remo é fruto de contra-ataques provocados por erros de passe, mau posicionamento e lentidão da defesa. Isso tudo continua acontecendo. Sábado o Leão vai enfrentar o Atlético no Acre. Um time que fez nove gols em três jogos. O que esperar do Leão? Para se dar bem em Rio Branco o time remista terá que melhorar o aproveitamento de passes e se aplicar muito na marcação. Na missão de capacitar o time, Édson Gaúcho faz boa opção com Ratinho e Reis no duplo papel de meias e atacantes, além da volta de André à proteção da zaga.  
 
 
Betinho com um pé no Guarani
       
O Guarani de Campinas deve ser o destino do meia Betinho, que o Remo entregou gratuitamente para investidores quando se descuidou da renovação de contrato. O castanhalense Betinho, 20 anos, passou os últimos dois meses em trabalho de capacitação física, em Apeú, enquanto esperava pela definição do novo clube. ABC e América de Natal até que avançaram nas negociações, mas foi o Guarani que entrou em acordo com o empresário Eduardo Uran. Ontem faltavam apenas detalhes para o martelo ser batido, já com a apresentação do atleta marcada para amanhã em Campinas.   
 
 
Maior de todos os títulos do Pará
        
Semana do 10º aniversário de uma proeza histórica. Ao conquistar a Copa dos Campeões, em 2002, o Paysandu levou para sua galeria o mais importante de todos os troféus do futebol paraense. Um título em nível de 1ª divisão, um mês depois de o Brasil conquistar o 'penta' mundial.
        
Foi um período mágico para o Papão. O time bicolor estava no ápice. E soube se impor diante dos gigantes, que se preparavam para o Campeonato Brasileiro. O time paraense superou Corinthians, Fluminense, Palmeiras e Cruzeiro, além dos medianos Náutico e Bahia, indo além do que o mais otimista dos bicolores poderia imaginar: Campeão dos Campeões, com acesso à Copa Libertadores.
        
Escreva para ferreiraliberal@yahoo.com.br ou ferreiraliberal@gmail.com e dê seu depoimento sobre o majestoso título bicolor. 

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!