20 de julho, 2012 - Belém

Santa Cruz x Paysandu duelam pela liderança na Série C


 

Santa Cruz x Paysandu, pela liderança

Com uma vitória e dois empates, o Santa Cruz é um dos três invictos do grupo norte-nordeste na Série C, mas é o quarto colocado com cinco pontos. Está duas posições abaixo e com um ponto a menos que o Papão. Quem perder pode sair da zona de classificação. Quem vencer terá possibilidade de virar líder do grupo, dependendo do resultado de Luverdense (3º com 6 pontos) x Icasa (1º com 7 pontos). Por isso o jogo de hoje é tão importante e mais valorizado ainda pela transmissão ao vivo do Sportv.

Yago Pikachu, Leandrinho e Ricardo Capanema são os três jogadores mais vigorosos do time bicolor. Justamente os três desfalques. O Papão deverá sentir muito as três ausências, principalmente de Pikachu, que é também o mais eclético, com funções na defesa, no meio de campo e no ataque ao mesmo tempo. Pelos desfalques e pelo valor do adversário, o Papão terá que jogar com grande aplicação tática para ter possibilidade de pontuar na casa tricolor, da mesma forma que o Fortaleza venceu em Belém.

As três primeiras rodadas da Série C deixaram claro que não há nenhum time acima da média. O que há, por enquanto, são times desarrumados, que estão penando mais que os outros, como é o caso do 'lanterna' Treze/PB. E numa disputa tão equilibrada, qualquer ponto fora de casa é uma preciosidade.


Somente cinco jogos da Série C no SporTV


Santa Cruz x Treze foi o primeiro jogo do campeonato transmitido pelo SporTV. O jogo Santa x Paysandu, hoje, será o segundo dos cinco programados para transmissão ao vivo pela empresa, que comprou os direitos da Série C. Também são transmitidos: Fortaleza x Guarany, Macaé x Vila Nova, Oeste x Vila Nova. Na programação original também constava Santa Cruz x Águia, mas houve troca pelo duelo cearense Fortaleza x Guarany.

Foi o patrocínio do SporTV que possibilitou à CBF bancar os custos de viagens e hospedagens dos 60 times das Séries C e D. Pelo aumento de visibilidade, também proporcionou outros patrocínios para a maioria dos clubes. A Série C virou produto televisivo em rede nacional depois que o SporTV perdeu a Copa Libertadores para a Fox Sports.


Santa Cruz, o adversário inspirador

Há dois anos, o tricolor pernambucano tinha as mazelas administrativas que conhecemos bem em Belém. Era um clube muito endividado e desacreditado no mercado, além de reduzido a aspirante à Série D. No início de 2011 entrou num processo de recuperação técnica, moral e financeira, num árduo e competente trabalho de gestão, como me relatou o diretor Albertinho dos Anjos.

Enxugamento de custos, investimento verdadeiro nas categorias de base, critério rigoroso nas contratações e recuperação da credibilidade. Agindo nessas quatro frentes a atual diretoria recompôs o Santa Cruz. Em 2011, campeão estadual com uma folha de R$ 300 mil, contra Sport  (R$ 1,5 milhão) e Náutico (R$ 800 mil). E ainda a subida à Série C. Em 2012 o bicampeonato estadual e a meta da ascensão à Série B com um time de R$ 500 mil. Em 19 meses, além das conquistas em campo, faturamento multiplicado nos patrocínios, na expansão do quadro de sócios e na venda da principal revelação, o atacante Gilberto, para o Internacional/RS.

O Santa Cruz é mais uma prova da viabilidade de Remo e Paysandu, dependendo da gestão. Ou seja, o Santa Cruz é um adversário inspirador.


Remo: 22 jogadores em 3 jogos na Série D

Em apenas três jogos, o Remo já utilizou nesta Série D dois goleiros, quatro laterais, quatro zagueiros, três volantes, quatro meias e cinco atacantes, escalados por dois técnicos em dois sistemas táticos. São 22 no total. O goleiro Gustavo será o 23º, contra o Atlético Acreano. Durante a competição, cinco jogadores foram liberados (Juan Sosa, Santiago, Adenísio, Márcio Pinguim, Tardelli) e outros cinco contratados (Gustavo, Márcio Tinga, Léo Medeiros, Laionel e Mendes). Tudo isso em apenas um mês.

Na temporada, o Remo já mandou embora 20 dos 41 jogadores que recebeu. O aproveitamento nas contratações está em 49%. Muito dinheiro 'rasgado'. Mais de R$ 1 milhão desperdiçado em maus negócios. Nessa ciranda, um time ainda em formação, ainda inconfiável, apesar de líder do grupo na Série D. Édson Gaúcho trabalha contra o tempo para formatar o time e colocá-lo em evolução. Próxima prova na quarta-feira, contra o Atlético Acreano, no Baenão. Jogo para o Leão Azul convencer a torcida de que pode subir à Série C, por qualidade do futebol ou pela bravura de um time
de massa. 

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!