11 de julho, 2012 - Belém

Um desafio particular para Thiago Potiguar


 

Um desafio particular para Thiago Potiguar


O jogo contra o Fortaleza será especial particularmente para Thiago Potiguar, 27 anos.  No início do ano, quando vivia uma fase muito problemática fora de campo e de baixo rendimento em campo, o atleta experimentou dias de rejeição. Para se livrar dele, o Paysandu o emprestou de graça para o Fortaleza. Mas Thiago Potiguar não emplacou no tricolor cearense, onde passou pouco mais de um mês. Voltou para Belém e reencontrou o seu bom futebol. Foi importante no campeonato estadual e muito mais na Copa do Brasil, principalmente nas duas vitórias sobre o Sport Recife.


Foi titular com Nad, com Lecheva e continua titular com Roberval Davino. O reencontro com o Fortaleza deverá ser um estímulo extra para Thiago Potiguar, pela disposição de mostrar aos cearenses o valor que conseguiu mostrar no clube tricolor. O atleta vai jogar pendurado, com dois cartões amarelos, que recebeu por excesso de reclamações em campo nos jogos contra Luverdense e Guarany. Roberval Davino está cobrando disciplina do atleta, inclusive no cumprimento de função tática. Thiago Potiguar é do tipo que ao entrar em campo se transforma, fica tenso, totalmente envolvido pelo jogo, agindo pela própria cabeça. Esse é o problema!


Até quando os times podem se reforçar nas Séries C e D?


Último dia útil anterior à estreia do clube na segunda fase. Esse é o prazo final para inscrição de atletas. Na Série D, dia 31 de agosto. Na Série C, somente dia 9 de novembro. Até lá, a farra vai continuar. O Remo é o 'campeão', com 37 jogadores recebidos para esta temporada, dos quais restam apenas 17 no elenco (46% de aproveitamento). O Paysandu, que recebeu 28 jogadores e está em busca de mais quatro (laterais, meia e atacante), mantém 18 na Curuzu (61%), e o Águia mantém 12 dos 15 contratados (80%).


Na Série D, o Remo ainda teria 51 dias para inscrever reforços. E na Série C restariam quatro meses para Paysandu e Águia. Isso tudo significa que os clubes da Série C vão receber grande oferta de jogadores que forem saindo da Série D. Uma tentação para os cartolas tarados por contratações. A Série D será encerrada dia 21 de outubro. A Série C será a última do Campeonato Brasileiro a ser concluída. Somente dois meses depois, dia 9 de dezembro.


Rio Branco do Acre colhe o que plantou


A bravata de cartolas que rejeitaram o veto do estádio pelas instituições de segurança, ano passado, levou o Rio Branco à Justiça Comum para garantir o acesso do público à Arena da Floresta na abertura da Série C 2011. Tudo para enfrentar o Ministério Público do Acre no descumprimento de uma decisão superior. Assim o Rio Branco abriu uma crise que se agravou este ano com a briga do Treze/PB pela vaga do clube acreano. O Treze está levando a melhor, disputando a Série C, enquanto o Rio Branco sofre o drama de manter o elenco em atividade, inclusive viajando, excluído do campeonato.


A exclusão foi mantida ontem, em Brasília, pelo Superior Tribunal de Justiça. O drama do Rio Branco teve origem na atitude de ignorar o Estatuto do Torcedor. O clube não deu importância à avaliação da Polícia Militar e dos Bombeiros à segurança da Arena da Floresta, comprou uma briga extremamente perigosa, se amparou em forças políticas que já não prevalecem, continua brigando de forma inglória na Justiça pela vaga na Série C, quando poderia estar pelo menos na Série D. Esse histórico detalhado do drama do Rio Branco é um alerta para cartolas do futebol paraense que também insistem em descumprir o Estatuto do Torcedor, inclusive se recusando a conhecê-lo.


Copa do Brasil termina com sucesso paraense


O título vai ser do Palmeiras ou do Coritiba, na decisão de hoje. O Pará só participou das três primeiras fases. O Independente foi eliminado na primeira, o Remo na segunda e o Paysandu na terceira fase. Se em campo a participação foi razoável, nas arquibancadas do Mangueirão foi brilhante, com três recordes de público. Na primeira fase, 22.184 pagantes para Independente x São Paulo. Na segunda, 23.449 para Remo x Bahia. Na terceira, 36.515 para Paysandu x Coritiba. O Pará tem três das nove maiores médias de público da Copa do Brasil. Isso porque embora os clubes sejam de terceira e quarta divisões, a torcida paraense é de primeiríssima.

 

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!