12 de junho, 2012 - Belém

Paysandu negocia amistoso contra grandes de Pernambuco


 

Papão contra Santa Cruz ou Fortaleza no fim de semana     


Luis Omar Pinheiro, presidente do Paysandu, disse ontem ao colunista que faria proposta ao Santa Cruz e ao Fortaleza para um dos dois vir a Belém fazer amistoso no próximo fim de semana. É que na melhor das hipóteses as Séries C e D começariam na próxima terça ou quarta-feira. Para isso, a CBF e clubes aliados pleiteiam no STJ a concentração das questões judiciais num único Fórum, com a expectativa de simplicar a novela judicial, que no capítulo de ontem teve a suspensão das liminares que amparavam o Rio Branco/AC e o Araguaina/TO, contemplando o interesse do Treze/PB, inclusive com o direcionamento do caso que envolve os três clubes para a Justiça da Paraiba. Pelo que chegou ao presidente bicolor, a CBF estaria decidida também a cumprir imediatamente qualquer que seja a decisão depois da concentração das questões num mesmo Juizo. Ocorre que há também a questão entre Brasil de Pelotas/RS e Santo André/SP.        

 

Sendo aberta mesmo na próxima semana, a Série C começaria pela quarta rodada, com o Papão estreando em Recife contra o Santa Cruz e o Águia em Marabá contra o Guarany de Sobral. As três primeiras rodadas ficariam atrasadas e seriam cumpridas nos meios de semana, até a atualização da tabela. A Série D teria a ordem de jogos mantida por ser uma competição de fases curtas. Ou seja, o Remo estrearia mesmo em Rondônia.   

 


Efeito do Re-Pa no nível de tolerância      


Para a torcida bicolor, mais que convincente o Papão foi empolgante, embora ainda não esteja pronto. Jogou com competência e venceu o rival com folga. Isso significa mais confiança e mais tolerância entre os bicolores. É importante que signifique também o reatamento da torcida com o clube para a Série C, de tal forma que o Papão volte a ter a força plena da Fiel nas arquibancadas e nas bilheterias. Por outro lado, o Remo passa a enfrentar desconfiança e intolerância. A dolorosa derrota no Re-Pa agravou o débito da perda do título estadual. Embora Flávio Lopes tenha razão nas alegações de que o time não estava em condições de encarar um jogo de alta competitividade, a torcida azulina não quer saber de explicações e vai cobrar.      


O quadro adverso põe à prova a cumplicidade do elenco com o técnico azulino. Se os atletas forem solidários ao chefe, vão se esmerar mais do que nunca no trabalho para levantar o moral nas primeiras oportunidades. Haverá união pela dor! Caso contrário, será o primeiro grande enrosco do Leão na trajetória da Série D, pelo peso da derrota no clássico e pelo ambiente hostil que o treinador enfrenta no Baenão desde o seu primeiro dia de trabalho.                                     

 

 

Uma zaga mal planejada     


Edinho, Juan Sosa, Santiago, Avalos. Quatro dos seis zagueiros do Remo são jogadores de pouca agilidade, que mesmo em forma terão grandes dificuldades diante de adversários velozes. Diego Barros tem razoável agilidade, mas também fica devendo na velocidade para os lances de recuperação. A exceção parece ser o garoto Igor João, que aparentemente é a última opção de Flávio Lopes. As contratações para a zaga remista foram mal planejadas e as conseqüências podem sair caras. Pelo menos um dos novos zagueiros deveria ser ágil e veloz, com capacidade de antecipação  e de recuperação. Nos demais setores vejo o Leão Azul num nível técnico individual razoável para a Série D, apesar da elevada média de idade.                      

 


Novo patrocínio pode salvar o Vilhena     


Palavras do presidente do Vilhena, José Carlos Dalanhol ao globoesporte.com/Rondônia: 'Estou trabalhando demais para não desistir, mas está complicado. Consegui manter 12 jogadores para a competição e, se tudo der certo, vamos assinar com mais um patrocinador que vem de São Paulo, o que vai nos ajudar a seguir em frente. Estamos no fundo do poço, no limite, mas com uma possível parceria dá pra participar' – disse o presidente José Carlos Dalanhol.     


Na hipótese de desistência do Vilhena, outros clubes rondonienses estariam na fila para herdar a vaga: Ji Paraná, Espigão do Oeste e o São Raimundo, campeão de 2012.

 

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!