08 de junho, 2012 - Belém

Futebol paraense é o oitavo em quantidade de títulos no Brasil


 

Pará tem a 8ª galeria de troféus do futebol brasileiro       


Todos os sete títulos nacionais da região norte são do Pará. Paysandu campeão da Série B (1991 e 2001) e Copa dos Campeões (2002). Tuna campeã da Série B (1985) e da Série C (1992). Remo campeão da Série C (2005) e São Raimundo campeão da Série D (2009). Essa é a 8ª mais importante galeria de troféus do futebol brasileiro, só perdendo para São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco e Bahia. Juntando as regiões norte, nordeste e centro oeste, o Pará só é superado por Pernambuco (uma Série A (Sport, 1987), uma Copa do Brasil (Sport, 2008), duas Séries B (Central, 1986; Sport, 1990) e pela Bahia (Duas Séries A com o Bahia (1959 e 1988), além de dois vice-campeonatos com o Vitória (Série A, 2003; Copa do Brasil, 2010). Aqui prevalece o critério olímpico. Nesse critério, título de Série A equivaleria à medalha de ouro, que é a premiação máxima.        


O pacote de conquistas do Pará inclui dois vices com o Remo em nível de 2ª divisão, em 1971 e 1984. E ainda tem o realce do 9º lugar do Paysandu na Copa Libertadores 2003. O futebol cearense, por exemplo, tem apenas um título nacional, da Série D 2010, com o Guarany de Sobral. Perde para o futebol maranhense, que tem um título da Série B (1972) e uma Série C (1997), ambos com o Sampaio Corrêa. O futebol goiano também está abaixo, com uma Série B (Goiás, 1999) e três Séries C (Vila Nova, 1996, e Atlético Goianiense, 1990 e 2008). Esses dados são abordados pela coluna como forma de elevar a cotação do futebol paraense por um passado de glórias que compensa ao presente frustrante.                             

 


No Re-Pa, 92 títulos em campo          


Paysandu: 44 títulos estaduais, uma Copa Norte, uma Copa dos Campeões, duas Séries B. Remo: 42 títulos estaduais, uma Copa Norte e uma Série C. Com Papão e Leão vão entrar em campo 92 títulos, domingo, para um Re-Pa cuja amistosidade é muito relativa, por conta da fervorosa rivalidade.          


São dois clubes de riqueza histórica, mas que sofrem nas Séries C e D pagando pelos rebaixamentos que os castigaram na década passada. O Re-Pa testa as forças de Leão e Papão para a missão do acesso, a ambição da retomada de espaço no cenário nacional. Um autêntico 'quem é quem'.                       

 


Papão vai pro acordo com Jóbson e Arinelson       


Em audiência marcada para a próxima terça-feira, o Paysandu terá que propor uma forma de pagamento dos R$ 3.692.590,00 que deve a Arinelson. O valor foi atualizado em maio, quando a Justiça do Trabalho atualizou também o valor devido a Jóbson: R$ 1.835.515,00. Total: R$ 5.528.105,00. Com a sede do clube em processo de leilão, o presidente Luis Omar antecipa que embora seja favorável à venda do imóvel para quitação do débito e investimento num Centro de Treinamentos, não vai enfrentar as resistências que há no clube à hipótese de venda de patrimônio. Assim, vai comprometer até R$ 1 milhão do último semestre do seu mandato num acordo com os dois ex-jogadores, deixando o restante do débito negociado para pagamento nos próximos anos. Um grande abalo nas finanças do Papão.       


Conversando ontem com o colunista, Luis Omar fez questão de dizer que desde o início da sua gestão já vem pagando cerca de R$ 1,2 milhão por ano de débitos trabalhistas que herdou do ex-presidente Artur Tourinho. Quitou elevados débitos com Júlio Santos, Cametá, Carlos Germano, Almir Lemos e Tácio. Continua pagando Alexandre Favaro e um empréstimo de R$ 500 mil feito pelo seu antecessor junto a uma Factoring.                                                                

 

 

Séries C e D nas mãos do STJ        


Está com o ministro Marco Buzzi, no Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, a questão das Séries C e D, com o pedido de suspensão de liminar e sentença, protocolado pela CBF. Na avaliação do advogado Antônio Maciel, colaborador desta coluna, nesta cartada a CBF tem significativa possibilidade de êxito. Mas observa que se o despacho for negativo, a CBF ficará em dificuldade quase intransponível nessa questão das Séries C e D. É esperado para hoje o despacho do juiz Marco Buzzi. Se for dado o sinal verde, os campeonatos terão início no outro final de semana, dias 16 e 17.

 

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!