16 de maio, 2012 - Belém

Pela janela, Remo no lugar do CametŠ


 

Pela janela, Remo no lugar do Camet√°


Al√©m de ter sido de forma indecorosa, a entrada do Remo na S√©rie D substituindo o Camet√° contrariou qualquer racioc√≠nio l√≥gico. A CBF, na gest√£o de Ricardo Teixeira, ajudou quando colocou o Par√° no grupo dos prov√°veis desistentes Roraima e Rond√īnia, al√©m de Acre e Amazonas. Criava-se a perspectiva de duas vagas para o Par√°. A mesma CBF, na gest√£o de Jos√© Maria Marin, anulou a ajuda quando anunciou o custeio de passagens e hospedagens na competi√ß√£o, dando condi√ß√Ķes para Roraima e Rond√īnia entrarem.


O Remo perdeu o campeonato estadual, mas acabou forçando o Cametá a lhe entregar a vaga. A janela se abriu pela desistência de quem tem motivos, sim, mas o Cametá não desistiria se não estivesse em desespero por dinheiro, a ponto de honrar um acordo que só cumpriria se quisesse. O fato é que o Mapará pulou fora e o Leão pulou dentro. Julgamentos de ordem moral à parte, a Série D vem aí com o Remo contra Vilhena/RO, Náutico/RO, Penarol/AM e o representante do Acre (Independência, Atlético Acreano ou Plácido de Castro). Cinco times para duas vagas.


Depois, duas fases em 'mata mata' e j√° estar√° decidido o acesso √† S√©rie C/2013. O Remo, que mesmo tendo a maior pontua√ß√£o geral no Paraz√£o, n√£o foi campe√£o e precisou dos bastidores para entrar na S√©rie D, ter√° que qualificar o time, se organizar e elevar o seu ambiente interno para ter condi√ß√Ķes de conquistar o objetivo em campo. Com as mazelas que teve no campeonato estadual n√£o chegaria a lugar a algum.


Leleu, vínculo indesejado até 2013


Atacante de 23 anos, com direitos econ√īmicos divididos entre o Paysandu (50%) e um grupo paulista de investidores (50%), Leleu tem contrato com o clube bicolor at√© o final de 2013. Pelo que n√£o produziu nesta temporada, Leleu tornou indesejado o seu v√≠nculo, a ponto de ter sido dado como dispensado. Foi salvo pelos 19 meses que restam de contrato, apesar do sal√°rio de apenas R$ 3 mil. Leleu, que at√© agora s√≥ fez n√ļmero no elenco bicolor, foi da base do Palmeiras/SP e atuou tamb√©m pelo Juventus/SP. Chegou no in√≠cio do ano, teve raras entradas no time e n√£o emplacou.


Fábio Oliveira e sua polêmica comemoração


Se o gol é o momento máximo do futebol, eternizado em fotos e imagens, por que jogadores insistem em tirar a camisa e privar os patrocinadores do clube dessa visibilidade? Ou melhor, por que os clubes permitem? O Remo, que nunca se importou com o interesse do patrocinador nessa atitude inadequada dos atletas, pagou o preço na expulsão de Fábio Oliveira na decisão do título estadual. O atacante recebeu cartão amarelo na comemoração do gol e sete minutos depois foi expulso ao cometer uma falta.


F√°bio Oliveira comemorou correndo em dire√ß√£o √† c√Ęmera da TV Cultura, tirando a camisa do clube, com uma camisa branca por baixo. Logo surgiram coment√°rios de que o atacante agiu daquela forma para exibir a marca do seu patrocinador particular. Por√©m, fotos mostraram a camisa toda branca, sem marca alguma. O fato √© que a atitude de F√°bio Oliveira e as consequ√™ncias pedem uma reflex√£o de atletas, cartolas e patrocinadores. F√°bio Oliveira chamou para si outra pol√™mica quando reprovou jogadores que viajaram na madrugada de segunda-feita, observando que ficou aqui para responder √†s cobran√ßas.


Adriano e Diego Barros, que est√£o em S√£o Paulo, responderam tamb√©m atrav√©s da imprensa. Criou-se um clima muito ruim, que exige uma tomada de atitude de quem comanda o Le√£o. Fa√ßa-se justi√ßa: Adriano e Diego Barros haviam comprado passagem com anteced√™ncia, para viajar como campe√Ķes ou como vice-campe√Ķes.


Meritocracia, par√Ęmetro que legitima o Camet√°


Criada em 2011 pelo governo estadual para premiar os quatro primeiros colocados de cada turno do Paraz√£o, a meritocracia j√° rendeu R$ 984 mil a oito clubes. E quem mais faturou foi o Camet√°: R$ 246 mil por um turno e dois vices. Em segundo o Remo: 196.800,00 por um turno, um 3¬ļ e 4¬ļ lugar. No terceiro lugar est√£o empatados Paysandu e √Āguia com R$ 147.600,00. Quarto, Independente: R$ 123 mil. Quinto: Tuna e S√£o Raimundo: R$ 49.200,00. Quem menos faturou foi o S√£o Francisco: R$ 24.600,00.


Esses dados mostram a distribui√ß√£o da verba da meritocracia em 60% para cinco clubes do interior e 40% para os tr√™s da capital. De toda a verba dos m√©ritos, o Camet√° ganhou 25%. Esse √© o par√Ęmetro que legitima o t√≠tulo de campe√£o estadual. O Mapar√° foi semifinalista de tr√™s dos quatro √ļltimos turnos, chegou a tr√™s decis√Ķes de turno e uma de campeonato. Portanto, o t√≠tulo de 2012 n√£o √© obra do acaso. √Č o ponto mais alto de uma escala ascendente.

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!


ÔĽŅ